, tendo recebido críticas favoráveis por parte dos media especializados e de alguns jornais generalistas, como o \"Le Monde\".' /> Livro de Paulo Monteiro candidato a prémio em França [Correio Alentejo] , tendo recebido críticas favoráveis por parte dos media especializados e de alguns jornais generalistas, como o \"Le Monde\".' >
00h00 - segunda, 02/12/2013

Livro de Paulo Monteiro
candidato a prémio em França

Livro de Paulo Monteiro candidato a prémio em França

O livro de banda desenhada O amor infinito que te tenho e outras histórias, de Paulo Monteiro, director da Bedeteca de Beja, está nomeado para três prémios em França.
O livro, já premiado em Portugal, foi lançado em Junho pela editora Six Pieds Sous Terre com o título L'amour infini que j'ai pour toi, tendo recebido críticas favoráveis por parte dos media especializados e de alguns jornais generalistas, como o "Le Monde".
A obra de estreia de Paulo Monteiro está nomeada para melhor banda desenhada em três prémios distintos: "Prix Sheriff D'or 2013", atribuído pela livraria Esprit BD (de Clermont-Ferrand), "Prix Bulles De Cristal 2014", criado pela livraria Ange Bleu, a sul de Paris, e "Prix Lycéen De La Bd Midi-Pyrénées 2014", indicado pelos estudantes das escolas da região dos Pirinéus.
Paulo Monteiro, nascido em 1967, que dirige o festival de banda desenhada de Beja, reuniu naquele livro 10 histórias feitas entre 2005 e 2010, que versam, de uma forma poética e desassombrada, sobre o amor e a sua impossibilidade.
Com selo da editora Polvo, o livro foi eleito o melhor álbum de banda desenhada de 2011, pelo Festival Internacional Amadora BD.
Para primeira obra, depois de participações em fanzines, Paulo Monteiro reconheceu que não podia estar mais feliz com o livro, já traduzido e editado em França, Espanha e Polónia.
Em 2014, o livro sairá no Brasil, Reino Unido e na Sérvia e, em 2015, deverá chegar à Coreia do Sul, com capas diferentes da edição portuguesa.
A internacionalização do livro de Paulo Monteiro, que não tem acontecido com esta intensidade na banda desenhada portuguesa, deveu-se a contactos feitos pelo autor, pela editora, mas também pelo "passa-a-palavra" depois da edição em França, um mercado exponencialmente maior do que o português.
Paulo Monteiro está a trabalhar numa segunda obra, que só deverá ser editado em 2015 ou 2016: "Devo acabar a escrita em Janeiro ou Fevereiro. Demoro muito, porque gosto muito do meu trabalho, gosto muito do que faço em Beja e, depois, o tempo que me sobra nem sempre é para escrever e desenhar".
Actualmente, Paulo Monteiro tem parte da sua obra exposta na galeria Mundo Fantasma, no Porto, numa exposição conjunta com a ilustradora e autora de banda desenhada Susa Monteiro.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - domingo, 18/02/2018
Rua da Lavoura (Beja)
reabriu ao trânsito
A Câmara de Beja já terminou as obras de requalificação da rua da Lavoura, que reabriu ao trânsito neste sábado, 17 de Fevereiro, após várias semanas sem circulação.
00h00 - domingo, 18/02/2018
Aniversário do "Avante"
em Almodôvar e Castro
A Direcção da Organização Regional de Beja (Dorbe) do PCP promove neste domingo, 18 de Fevereiro, dois momentos comemorativos de mais um aniversário do jornal "Avante".
00h00 - sábado, 17/02/2018
EDIA e AdP assinam
acordos de cooperação
A Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva (EDIA) e o Grupo Águas de Portugal (AdP) assinam neste sábado, 17, vários acordos de cooperação, visando o reforço do abastecimento de água no Baixo Alentejo.
07h00 - sexta, 16/02/2018
Pedro do Carmo recandidato no PS do Baixo Alentejo
Está confirmado: Pedro do Carmo é novamente candidato à presidência da Federação do Baixo Alentejo do PS, que vai a votos no próximo dia 9 de Março.
00h00 - sexta, 16/02/2018
Detidos ladrões de
contadores em Ferreira
A GNR identificou na quarta-feira, 14, dois homens, um com 30 anos e outro com 47, por suspeitas de furto qualificado de cerca de 1300 contadores de água num estaleiro em Ferreira do Alentejo.

Data: 09/02/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial