07h00 - quarta, 19/04/2017

A incrível história do trio
brasileiro do Almodôvar

A incrível história do trio brasileiro do Almodôvar

Apesar de ser um mundo de alegria, com golos e títulos, o futebol também tem o seu "lado negro", faceta que Henrique, Luiz Ricardo e Wagner, atletas brasileiros que representam o Almodôvar, sentiram na pele.
Chegaram a Portugal em 2014 para representar o Estrela de Portalegre, alimentados pelo sonho de ir mais além. Mas a ilusão durou pouco: acabaram com fome, sem dinheiro e abandonados pela empresa "fantasma" de novos talentos que os contratou. E viram-se sinalizados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras como vítimas de tráfico de seres humanos.
"Foi uma experiência completamente diferente de todas aquelas que já tinha vivido", confidencia ao "CA" o avançado Wagner, de 22 anos. "Por onde passei os clubes sempre me disponibilizaram tudo e aquilo foi algo novo, uma lição de vida. A gente aprende a dar valor às pequenas coisas", acrescenta.
Henrique e Luiz Ricardo partilham a opinião do colega que virou "irmão". "Passámos dificuldades juntos, estamos jogando juntos… A gente virou irmãos", vinca o médio Henrique, 25 anos. "O que a gente passou lá fica para a vida", complementa Luiz Ricardo, 23 anos, que faz todo o flanco direito.
Luiz Ricardo, Henrique e Wagner vivem hoje em Faro, no mesmo apartamento. E partilham ainda mais uma coisa: a camisola do Almodôvar, onde chegaram no início da temporada e redescobriram o prazer do futebol após o pesadelo vivido em Portalegre. "Todos nos receberam muito bem, é tudo amigo. Estamos da melhor maneira possível.", reconhece Luiz Ricardo. "O Almodôvar abriu as portas à gente, acolheu a gente, ajudou-nos em tantas coisas… E a gente redescobriu o gosto pelo futebol. Voltámos a fazer aquilo que gostamos e a ter uma vida normal e tranquila", diz Wagner.
A época tem sido positiva e os três acreditam que o Almodôvar até podia estar na luta pelo título. "Tivemos alguma infelicidade", justifica Henrique. Mas ainda há a Taça do Distrito de Beja [o Almodôvar está nas meias-finais, recebendo o Odemirense] e os três brasileiros já sonham em levantar o troféu. "Espero terminar a temporada com esse título", sintetiza Luiz Ricardo.
Depois virá o final da época e não se sabe qual o destino de Henrique, Luiz Ricardo e Wagner. Até poderão ficar em Almodôvar para 2017-2018, mas os três continuam a alimentar o sonho de ser alguém no mundo do futebol.
"Sei que tenho qualidades e o que tiver de chegar vai chegar. Mas se não chegar, não estou preocupado", revela Henrique. "Quero ser profissional, é o meu maior objectivo. Foi por isso que vim para a Europa", acrescenta Luiz Ricardo. "Desde que cheguei a Portugal que quero chegar à I Liga e jogar num 'time' grande. É por isso que vou lutar", remata Wagner.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sexta, 23/02/2018
"AgdA vai investir
64 milhões no distrito
de Beja até 2020"
O presidente do conselho de administração da Águas Públicas do Alentejo (AgdA), Joaquim Marques Ferreira, revela ao "CA" os investimentos que a empresa tem em curso no Baixo Alentejo, que superam os 60 milhões de euros.
00h00 - sexta, 23/02/2018
EMAS Beja dinamiza
"Heróis da Água"
A Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja iniciou nesta semana mais uma edição do projecto de sensibilização ambiental "Heróis da Água", destinado aos mais novos.
00h00 - sexta, 23/02/2018
Câmara de Odemira
descentraliza reuniões
Envolver a população nas decisões políticas e na gestão do território é o grande objectivo da Câmara de Odemira com a realização de reuniões nas freguesias, no âmbito do programa municipal "Odemira Participa".
07h00 - quinta, 22/02/2018
"Beja Educa" nas
escolas do concelho
Promover um ensino de qualidade para todos e o sucesso escolar é o grande objectivo do programa municipal "Beja Educa", que a Câmara de Beja tem no terreno em várias escolas do concelho.
07h00 - quinta, 22/02/2018
CM Castro Verde
vai regularizar
vínculos precários
Garantir a estabilidade "profissional e pessoal" dos colaboradores que tenham um vínculo de trabalho precário com a autarquia é o objectivo da Câmara de Castro Verde, que já está a avançar com o processo de regularização de trabalhadores com este tipo de vínculos contratual.

Data: 09/02/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial