00h00 - segunda, 09/04/2018

Governo quer aumentar
produção de cereais no país

Governo quer aumentar produção de cereais no país

O Governo pretende revitalizar a produção de cereais em Portugal, nomeadamente em territórios onde ainda predomina o sequeiro, caso da zona do Campo Branco, que abrange os concelhos de Castro Verde, Aljustrel, Almodôvar, Mértola e Ourique. A garantia foi dada ao "CA" pelo próprio ministro da Agricultura, que conta em breve levar a Conselho de Ministros a Estratégia Nacional para o Relançamento da Cerealicultura.
"Temos que criar condições para ver como é possível aumentar a produção de cereais em Portugal", sublinha Capoulas Santos.
De acordo com o governante, há largos meses que um grupo de trabalho envolvendo técnicos do Ministério da Agricultura e das organizações de produtores de cereais têm vindo a consolidar "uma estratégia e um plano de acção para a recuperação da cerealicultura em Portugal, que é fundamental para a revitalização dos territórios de sequeiro e também para o abastecimento do país".
"Neste momento, se tirarmos o milho, apenas abastecemos o país em cereais em 5% das nossas necessidades. E é evidente que se não se faz mais cereal porque não é muito competitivo fazê-lo nas nossas condições agro-climáticas", observa Capoulas Santos.
São estes dados que levam o ministro da Agricultura a querer ver a Estratégia Nacional para o Relançamento da Cerealicultura aprovada em breve, no sentido de ser implementado no terreno um plano de acção que deverá ter apoio comunitário.
"Estamos a olhar para os cereais de uma forma diferente. Foi uma actividade que foi caindo numa certa secundarização no âmbito das políticas nacionais e que nós queremos inverter através de acções concretas", afiança Capoulas Santos.
Para o presidente da Associação de Agricultores do Campo Branco, com sede em Castro Verde, onde predomina o sequeiro, a aposta do Governo no relançamento da produção de cereais em Portugal é mais que justificada, até porque o país tem de se valer de importações para fazer face às suas necessidades.
"Neste momento estamos totalmente dependentes do estrangeiro no abastecimento de cereais", sustenta José da Luz Pereira ao "CA", lembrando que os melhores terrenos do país "estão plantados com culturas regada".
Para o dirigente associativo, Portugal "vai necessitar rapidamente de começar a produzir cereais", daí defender a criação de um programa de incentivos para se produzirem cereais para grão. "Por exemplo, na zona do Campo Branco praticamente não se produzem cereais para grão, porque os factores de produção são muito elevados e não compensa", justifica.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - segunda, 16/07/2018
Problemas graves na
Basílica de Castro Verde
Depois de um Inverno e uma Primavera particularmente chuvosos, o estado de degradação da Basílica Real de Castro Verde é cada vez mais evidente e preocupante.
00h00 - segunda, 16/07/2018
Intercidades volta
a Amoreiras-Gare
Cinco de Agosto: é esta a data definida pela empresa Comboios de Portugal (CP) para o início das paragens do Intercidades na estação Amoreiras-Odemira, em Amoreiras-Gare.
00h00 - domingo, 15/07/2018
CDU contra final
da feira RuralBeja
A CDU contesta a decisão da Câmara Municipal de Beja, liderada pelo socialista Paulo Arsénio, de não dar continuidade à feira RuralBeja, que decorria no mês de Outubro.
00h00 - domingo, 15/07/2018
"Heróis da Água" é
sucesso nas escolas
O projecto "Heróis da Água", promovido pela Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja, voltou a ter uma grande receptividade da comunidade escolar em 2017-2018, passando por cerca de 20 escolas do concelho de Beja.
01h00 - sábado, 14/07/2018
PCP questiona Governo
sobre Linha do Alentejo
O PCP quer saber por que razão o Governo decidiu avançar com os projectos técnicos para a electrificação da Linha do Alentejo apenas no troço entre Casa Branca e Beja, excluindo a restante ligação até à Funcheira e à Linha do Sul.

Data: 13/07/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial