00h00 - domingo, 15/04/2018

Raça Garvonesa
luta contra extinção

Raça Garvonesa luta contra extinção

Depois de ter estado à beira da extinção, a raça bovina Garvonesa continua a lutar para ver aumentado o seu efectivo, contando para já com 12 produtores, três dos quais na zona do Campo Branco. O efectivo total é de 22 machos e 776 fêmeas, número que só poderá aumentar se continua a haver ajudas para a sua produção.
"Trata-se de uma raça que tem dificuldades de sobreviver sem ajudas", refere ao "CA" a engenheira Ana Lampreia, da Associação de Agricultores do Campo Branco, lamentando que desde 2015 que não sejam abertas candidaturas para a manutenção das raças autóctones, com excepção para jovens agricultores.
"Desde essa altura que os novos criadores não têm acesso à medida e os produtores que puderam aderir não podem aumentar o número de animais inscritos para receber o prémio. Além deste impedimento, são animais que não têm muito valor comercial, o que dificulta a sua preservação", acrescenta.
Os criadores da raça Garvonesa que em 2015 se candidataram às medidas agro-ambientais para conservação das raças autóctones recebem actualmente 200 euros por vaca inscrita, verba acumulável com o prémio de vaca aleitante, de 120 euros.
"Mas o nosso desejo é que a ajuda seja maior, principalmente em anos de seca em que a alimentação se torna escassa e bastante mais dispendiosa", defende Ana Lampreia.
A raça bovina Garvonesa chegou a estar em vias de extinção, mas a partir da Década de 90 foi reconhecida como raça autóctone e iniciado um trabalho de recuperação da raça. Desde essa altura que a AACB é a entidade gestora do registo zootécnico da raça, tendo a responsabilidade de executar o programa de conservação deste recurso genético.
"É um programa aprovado pela Direcção Geral de Alimentação e Veterinária e que nos compromete com uma série de acções de carácter técnico com o intuito de preservar e se possível melhorar a raça", explica Ana Lampreia.
Nesse sentido, acrescenta esta responsável, cabe à AACB "desenvolver acções como a inscrição dos animais no Livro de Nascimento e Livro de Adultos, classificações morfológicas, acções de conservação de material genético em banco de genoplasma, controlos de performances, estudo da carcaça e da qualidade da carne, exames de paternidade por análises de ADN e promoção da raça, entre outras".


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 18/09/2018
Protocolo entre
Câmara de Aljustrel
e Associação Dignitude
A Câmara de Aljustrel e a Associação Dignitude assinaram nesta segunda-feira, 17, um protocolo de colaboração tendo em vista a concretização do programa ABEM-Rede Solidária do Medicamento no concelho.
07h00 - terça, 18/09/2018
EMAS Beja alcança
os melhores resultados
dos últimos 10 anos
A Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja faz um balançao "extremamente positivo" dos trabalhos da intervenção global de substituição de ramais que decorre por todo o concelho de Beja desde o início de 2018.
07h00 - terça, 18/09/2018
Vestígios arqueológicos
encontrados em Ourique
As obras de requalificação do centro histórico de Ourique, promovidas pela autarquia local, revelaram um conjunto de importantes testemunhos patrimoniais reveladores da história da vila, da população e dos seus hábitos comunitários de outros tempos.
07h00 - segunda, 17/09/2018
CIMBAL apresenta contributos
ao Plano Nacional de Investimentos
A modernização e electrificação da linha ferroviária do Alentejo e a afirmação do aeroporto de Beja como a Lisboa e Faro são duas das propostas apresentadas pela CIMBAL para o Plano Nacional de Investimentos (PNI) 2030.
07h00 - segunda, 17/09/2018
CIMAL quer fundos da UE
para água e saneamento
Os presidentes das cinco câmaras que foram a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL) reúnem nesta segunda-feira, 17 de Setembro, em Lisboa, com o secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins.

Data: 14/09/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial