00h00 - segunda, 02/07/2018

População de Colos
contra fecho da Caixa

População de Colos contra fecho da Caixa

A agência da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Colos já não reabre nesta segunda-feira, 2 de Julho, deixando milhares de pessoas de quatro freguesias do interior do concelho de Odemira mais distantes das suas poupanças.
"Tenho ali dinheiro a prazo e à ordem e para ir a Odemira ou Ourique não tenho transporte. Como é que vou lá? Isto é uma coisa muito mal feita", diz Manuel Balbina, 83 anos. Ironia das ironias, o balcão da CGD em Colos está a escassos metros de distância. Ao seu lado as opiniões (e críticas) são em tudo idênticas.
"Isto dá movimento à terra, pois as pessoas vêm à Caixa [Geral de Depósitos], depois ao mercado e às lojas. E o fecho da Caixa torna a vila mais morta. Além disso, pessoas mais idosas, sem meios de transporte próprios, vão ter de ir a caminho de Odemira ou de Ourique por causa da reforma, que são meia dúzia de tostões. Não se compreende isto", afirma Mário Castilho, de 73 anos.
"Agora tenho que passar a ir a Ourique ou Odemira, que remédio! Se fosse aqui há uns anos não me fazia diferença nenhuma, mas agora é um transtorno", acrescenta Joaquim Pacheco, de 79 anos.
Pelas ruas de Colos não há quem veja com bons olhos a saída da CGD da vila. "É um bocado chato, principalmente para as pessoas idosas, que não têm meios para se deslocar. É uma decisão que não faz sentido nenhum! Mais logo não temos aqui nada", diz Guilhermino Fernandes, de 59 anos.
Um lamento que é partilhado pelo presidente da Junta de Freguesia, que não esconde a sua desolação. "Foi a maior 'bomba' que podia ter caído em cima de nós todos. Isto fica aqui uma desgraça", desabafa Manuel Penedo.
O autarca eleito pelo PS diz mesmo que a decisão da CGD é incompreensível e revela "um desprezo total pelas pessoas", dado que na sua agência em Colos tem "mais de 3.500 contas abertas". "Era mais que suficiente para manter aqui a Caixa. Mas querem é cumprir o programa deles e não se importam com as pessoas que estão no interior. Isto é, de facto, um grande rombo que a gente leva aqui", observa.
De acordo com a CGD, o anunciado encerramento de 70 balcões no próximo mês de Julho (entre os quais o de Colos) decorre do plano estratégico negociado com as autoridades europeias em 2016. Na altura, o Estado português e a Comissão Europeia acordaram o fecho de um total de 180 balcões do banco em Portugal até 2020 como contrapartida pela recapitalização da instituição bancária.
A decisão da CGD já foi publicamente contestada pelas concelhias de Odemira do Partido Socialista, Bloco de Esquerda e PSD.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 21/01/2019
Deputado do PS defende exportação de animais vivos
O deputado do PS eleito por Beja defendeu na passada semana, em debate parlamentar e discussão de projectos-lei sobre o tema, que a exportação de animais vivos deve continuar, não sendo necessário alterar a legislação em vigor.
07h00 - sexta, 11/01/2019
Aljustrel investe em novas áreas empresariais
A Câmara de Aljustrel vai investir quase cinco milhões de euros em quatro novas áreas empresariais, num investimento total de quase cinco milhões de euros, que tem comparticipação comunitária, através do programa Alentejo 2020, na ordem dos 4,2 milhões de euros.
07h00 - quinta, 10/01/2019
Baixo Alentejo
recebe 6 milhões
para coesão social
São mais de seis milhões de euros para os municípios do Baixo Alentejo dinamizarem, nos próximos três anos, novos projectos de coesão social para mitigar problemas como o desemprego, a pobreza e o envelhecimento.
07h00 - segunda, 31/12/2018
CM Almodôvar contra
fecho de balcão do BCP
A Câmara de Almodôvar contesta o encerramento, no início de 2019, do balcão local do banco Millennium BCP, considerando que esta decisão "não é do interesse municipal e não serve os interesses da população de Almodôvar".
07h00 - quinta, 27/12/2018
Roubos de azeitona
aumentam no Alentejo
A Olivum-Associação de Olivicultores do Sul, com sede em Beja, está preocupada com o aumento de roubos de azeitona no Alentejo e pede às autoridades policiais um aumento da fiscalização em postos de recepção.

Data: 11/01/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial