07h00 - segunda, 29/10/2018

Estado apoia projecto do zinco em Neves-Corvo

Estado apoia projecto do zinco em Neves-Corvo

O Governo já aprovou a minuta do contrato fiscal de investimento a celebrar entre o Estado, através do AICEP, e a Somincor, proprietária das minas de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, no âmbito do projecto da empresa para a expansão da produção de zinco, avaliado inicialmente em 256 milhões de euros e revisto recentemente para os 270 milhões.
O contrato fiscal de investimento entre o Estado e a Somincor, ainda sem data prevista para a sua formalização, prevê a atribuição à empresa mineira de um crédito fiscal em sede de IRC de 9% e a isenção em sede do Imposto do Selo até ao montante máximo de 16,7 milhões de euros. Por sua vez, através do projecto a Somincor estima a criação de 38 postos de trabalho até 31 de Dezembro de 2021 e a manutenção de todos os actuais postos de trabalho até 31 de Dezembro de 2027.
"Este contrato reveste-se da maior importância para a boa execução do investimento realizado na operação de Neves-Corvo que, como já afirmámos, é um investimento-chave no que respeita à competitividade da Somincor nos mercados internacionais de metais-base", adianta ao "CA" o administrador-delegado da empresa.
Kenneth Norris sublinha que "a dimensão do investimento nesta operação, o maior desde o seu início, representa também a manutenção da Somincor enquanto agente de criação de emprego e gerador de riqueza na região, além do seu peso enquanto contribuinte". Por isso, acrescenta, "este contrato é um sinal claro da solidez e confiança no nosso negócio, o que nos congratula".
O administrador-delegado da Somincor afiança ainda que o projecto do zinco decorre dentro do plano de desenvolvimento delineado pela empresa, "estando em plena fase de construção". "Neste momento, está previsto que a construção esteja concluída até ao fim de 2019", garante Kenneth Norris.
Entretanto, em entrevista ao "Jornal Económico" (JE) publicada nesta sexta-feira, 26, Kenneth Norris revelou que a Somincor vai investigar, até 2023, "a existência de depósitos minerais que possam constituir fontes de cobre, zinco e chumbo numa área de 141 quilómetros quadrados ao redor da actual zona de concessão mineira de Neves-Corvo".
"No quadro do actual conhecimento, é possível desde já reconhecer que a actividade da Somincor tem potencial de prolongar a sua actividade para lá do prazo actual de vida da mina", acrescentou o administrador-delegado da empresa ao "JE".


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
10h13 - quinta, 18/04/2019
Novo equipamento de TAC no hospital de Beja
O novo equipamento de TAC (Tomografia Axial Computorizada) do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, entrou em funcionamento nesta quinta-feira, 18 de Abril, representando um investimento de cerca de 1,2 milhões de euros.
07h00 - quinta, 18/04/2019
Cidade de Beja celebra
Dia dos Monumentos
A Câmara de Beja assinala nesta quinta-feira, 18 de Abril, o Dia dos Monumentos e Sítios com duas iniciativas no Moinho Grande, situado a poucos quilómetros da entrada da cidade por Ferreira do Alentejo.
07h00 - quinta, 18/04/2019
Escolas de Odemira
lideram na reciclagem
As escolas Básicas 2,3 Damião de Odemira (Odemira) e Básica nº1 de Sabóia lideram o ranking distrital finda a primeira fase da 11ª edição da "Geração Depositrão", iniciativa ambiental que visa a recolha de pilhas e de equipamentos eléctricos e electrónicos em fim de vida.
07h00 - quarta, 17/04/2019
Junta de Mértola
ensina a ler rótulos
A Casa das Artes Mário Elias, na vila de Mértola, recebe nesta quarta-feira, 17 de Abril, a partir das 21h00, a sessão "Como ler rótulos", promovida pela Junta de Freguesia local.
07h00 - quarta, 17/04/2019
CIMBAL aprova moção
sobre Notre Dame
A Assembleia Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) aprovou na segunda-feira, 15, por unanimidade, uma moção onde manifesta "a sua profunda solidariedade" com França devido ao incêndio na catedral de Notre Dame, em Paris.

Data: 19/04/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial