07h00 - sexta, 15/03/2019

Almina: Coordenador explica
objectivos da Comissão Ambiental

Almina: Coordenador explica objectivos da Comissão Ambiental

O professor universitário José Manuel Palma é o coordenador da nova Comissão de Acompanhamento Ambiental (CAA) da Almina, empresa responsável pela concessão das minas de Aljustrel, que já está a trabalhar. Apresentada recentemente, a comissão conta com a participação de 12 entidades locais e regionais, pretendendo ser "um fórum de partilha" e "o local privilegiado para uma relação contínua da empresa com a sociedade envolvente". Em entrevista ao "CA", José Manuel Palma assegura que na CAA vai imperar a "transparência e independência".

Qual o grande objectivo da Comissão de Acompanhamento Ambiental (CAA) da Almina?
Como sabe, existem impactos em toda a actividade industrial e a Almina causa impactos, porque Aljustrel está dentro da mina e a mina está dentro de Aljustrel. Portanto, é fundamental que esses impactos sejam absolutamente discutidos e clarificados. E, muitas vezes, aquilo que a Almina considera ser importante pode não coincidir necessariamente com aquilo que as pessoas consideram importante. Ora aquilo que é importante é que haja compreensão mútua e, provavelmente, até modificação. Porque haverá prioridades destes stakeholders que, provavelmente, não são as mesmas prioridades da Almina. Este é o primeiro objectivo!

Há mais?
Em segundo lugar, estas pessoas da CAA vão ter poder! Ou seja, as posições vão ser públicas e vai ter de haver um empenhamento da empresa em responder a estas questões e vice-versa. Terceira coisa, e extremamente importante: temos de melhorar e fazer estudos específicos, se necessário, para responder às preocupações da comunidade. E portanto, esta CAA vai ter de acompanhar todo o processo produtivo e ver quais são os problemas, para modificar aquilo que é preciso ser modificado. Há uma coisa que é muito importante: todas as pessoas aqui presentes, nomeadamente a empresa, estão a empenhar-se. E este tipo de escrutínio colectivo, aberto e transparente, é muito raro.

Esta Comissão vai ser uma espécie de "provedora" da população relativamente à Almina?
Um bocado… O que queremos é ajudar a Almina a perceber o que é importante, para que esta Comissão e a população percebam os impactos. O que acontece é que muitas vezes existe um 'diálogo de surdos'. E esta CAA pretende que não exista um 'diálogo de surdos', mas sim que exista diálogo. Isso é muito importante! Por isso vamos ter, no mínimo, três ou quatro reuniões anuais. E fica já a saber que este ano vai haver um Estudo de Impacte Ambiental (EIA) e que novos projectos que vão ser apresentados em primeira mão à CAA. Esta é a entidade prioritária para a Almina em termos de relação com a comunidade.

Que acções concretas estão previstas? Falou de um EIA…
Vai haver esse EIA, que será uma das primeiras coisas que esta Comissão vai discutir. E quando houver novos projectos [na mina], os primeiros a saber serão os elementos desta CAA.

Ou seja, esta CAA não será um "verbo de encher", estará sempre a par daquilo que a empresa esteja a fazer ou a planear?
A ideia é que esta CAA não seja um "verbo de encher". Se assim fosse, eu não estava cá! Só dou o meu nome e o meu empenhamento a este tipo de processos se não for para encher. Porque para encher basta fazermos uns comunicados à imprensa… Isso sim é para encher!

Voltando ao EIA, este parte da empresa ou é já uma exigência da CAA?
Parte da empresa, porque tem de ser feito legalmente. A questão é que vamos apresentar questões e sugestões antes.

Pode dar a garantia aos aljustrelenses que esta CAA será marcada pela independência e transparência?
Será completamente independente e transparente! Se não fosse assim, não estava cá. Aliás, serei o primeiro responsável se ela não for assim. E se não for assim, vou embora.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 26/03/2019
"Poder da Colaboração"
debatido em Odemira
Mobilizar e inspirar a comunidade para a relevância estratégica da colaboração é o grande objectivo da sessão "O poder da Colaboração", que o cine-teatro Camacho Costa, em Odemira, recebe nesta terça-feira, 26, a partir das 14h30.
07h00 - terça, 26/03/2019
Sessões em Castro sobre
limpeza de terrenos
Santa Bárbara de Padrões recebe nesta terça-feira, 26 de Março, a primeira de cinco sessões de esclarecimento sobre limpeza de terrenos promovida pela Câmara de Castro Verde em parceria com a GNR, a Autoridade Nacional de Protecção Civil, o ICNF e as juntas de freguesia do concelho.
07h00 - terça, 26/03/2019
Jovens identificados
por furto em Ervidel
A GNR identificou no final da passada semana dois jovens, um de 19 e outro de 15 anos, por suspeitas da prática do crime de furto no interior das instalações de uma associação em Ervidel, no concelho de Aljustrel.
07h00 - terça, 26/03/2019
Detido por violência
doméstica em Aljustrel
Um homem de 28 anos foi detido pela GNR em Aljustrel no final da passada semana pela prática do crime de violência doméstica, tendo ficado em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Beja por ordem do juiz.
07h00 - segunda, 25/03/2019
Semana Gastronómica
do Borrego em Castro
A Câmara de Castro Verde promove a partir desta segunda-feira, 25 de Março, a segunda edição da Semana Gastronómica do Borrego, em que 13 restaurantes de Castro Verde e Entras vão apresentar nas suas ementas pratos à base de borrego do Campo Branco.

Data: 22/03/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial