07h00 - quinta, 16/05/2019

Presidente da CM Mértola: "É um festival genuíno"

Presidente da CM Mértola: "É um festival genuíno"

No dia em que arranca a 10ª edição do Festival Islâmico de Mértola, o presidente da Câmara Municipal local revela ao "CA" que o segredo do evento está na sua capacidade de ser genuíno. "Uma das questões fundamentais para a consolidação deste festival tem sido a sua genuinidade. O facto de não se criarem cenários, de não termos aqui pessoas a encenar como se de teatro se tratasse", afirma Jorge Rosa.

O que faz o Festival Islâmico de Mértola ser um evento especial e cada vez maior?
Julgo que uma das questões fundamentais para a consolidação deste festival tem sido a sua genuinidade. O facto de não se criarem cenários, de não termos aqui pessoas a encenar como se de teatro se tratasse… É de facto um festival com genuinidade, tendo em Mértola por estes dias comerciantes marroquinos, um centro histórico real e muito semelhante a uma medina árabe, e termos toda a dinâmica e actividade cultural idênticas às que existem nesses locais, enriquecidas por outras actividades puramente alentejanas. Por outro lado, o facto de termos conseguido – sempre com muito rigor e alguma disciplina – manter esta filosofia do festival, direcionando sempre o evento para aquilo que é a cultura mediterrânica, para o bom Islão. E outra questão sempre muito importante – e que tem feito do festival aquilo que conhecemos hoje – é a capacidade de a autarquia ter realizado e ter criado parcerias com diversas entidades. Já são algumas dezenas e todas elas dão um contributo para a grandiosidade e para o sucesso deste festival.

A par da história e da tradição, este evento é essencial para a economia local?
Sim, são quatro dias em que Mértola se transforma completamente para receber os milhares de visitantes e para isso muito contribui o comércio local, que se prepara servir bem as pessoas. Muito contribui também a comunidade mertolense, que nestas alturas abre as portas de suas casas e recebe famílias, aproveitando para realizar alguma receita, nomeadamente alojamentos e restauração. Portanto, esta colaboração extraordinária destas pessoas na altura do festival também é muito importante para que a receita criada pelo festival fique no território, nomeadamente em Mértola.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
22h13 - sexta, 10/07/2020
Covid-19: Testes negativos a
trabalhadores da Somincor
Os trabalhadores da Somincor, empresa mineira de Neves-Corvo, testados nesta quinta-feira, 9, ao coronavírus Covid-19 tiveram resultado negativo, adianta a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Criminalidade diminuiu no distrito de Beja em 2019
O distrito de Beja é o quinto mais seguro em todo o país, tendo registado um decréscimo na criminalidade geral em 2019.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Programa de apoio à
cultura esgotado em Beja
A cidade de Beja vai receber, nos próximos meses, três exposições, cinco sessões de contos, quatro sessões de teatro e marionetas e 11 espectáculos musicais, fruto das candidaturas apresentadas ao Programa Municipal de Apoio à Cultura (PEAC).
07h00 - sexta, 10/07/2020
Diocese de Beja assinala
250 anos da sua restauração
A 10 de Julho de 1770 foi restaurada, pelo Papa Clemente XIV, a Diocese de Beja, data assinalada 250 anos depois neste fim-de-semana, 10 a 12, com diversas iniciativas de cariz religioso.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Um caso de Covid-19
identificado em Neves-Corvo
Um trabalhador da Somincor residente no concelho de Almodôvar foi identificado como estando infectado com Covid-19, adiantaram nesta quinta-feira, 9, a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.

Data: 10/07/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial