08h33 - quarta, 28/10/2009

Aldeia Solar nasce na freguesia de Colos (Odemira)

Aldeia Solar nasce na freguesia de Colos (Odemira)

Uma Aldeia Solar experimental construída em pleno Alentejo, com protótipos alimentados pelo calor do Sol, projectada para a auto-suficiência energética de 50 pessoas, vai ser testada durante um ano por uma comunidade de pesquisa para a Paz.
Quem avança alguns quilómetros por uma estrada de terra batida, próxima de Colos, concelho de Odemira, depois de passar por dezenas de sobreiros e de ovelhas a pastar, está longe de imaginar que, um pouco mais à frente, numa propriedade com mais de 150 hectares, por entre hortas e casas de taipa dispersas, encontra o campo de testes de uma Aldeia Solar.
O projecto é da comunidade de Tamera, instalada no Monte Cerro, próximo de Colos, que quer provar que, sem recorrer a combustíveis fósseis ou poluentes, é perfeitamente possível bombear água, produzir e cozinhar alimentos, aquecer e iluminar as casas.
"A ideia é viver um ano inteiro com esta tecnologia, ver como funciona e encontrar os pontos fracos e fortes, para poder projectar um modelo para a Tamera inteira", onde vivem mais de 150 pessoas, explica à Agência Lusa Barbara Kovats, coordenadora da Aldeia Solar.
O campo de testes conta, por exemplo, com uma estufa multifuncional que, além de permitir o cultivo de alimentos com baixo consumo de água, também aquece óleo vegetal, que é armazenado num recipiente, permitindo assim captar e distribuir o calor entre um motor Stirling, que produz electricidade, e a cozinha.
Outro protótipo em testes no Alentejo, região escolhida em parte por ser "rica" em exposição solar, é a bomba de água, que funciona, à semelhança dos restantes sistemas, apenas com energia solar termal.
Junto da cozinha, construída no âmbito do projecto, um grande espelho, com cerca de dois metros de diâmetro, desperta a curiosidade: "É um espelho de foco fixo, que vai reflectir o Sol para um tacho próprio, que aquece água em cerca de 30 minutos".
O esclarecimento é dado por Fabian Deppner, também membro da Tamera e colaborador no projecto, que explica tratar-se de uma tecnologia antiga, mas ainda usada na Índia, num local onde se cozinha para 30 mil pessoas.
Barbara Kovats garante que "estas tecnologias podem adaptar-se a todas as partes da Terra, possibilitando o desenvolvimento regional e a independência das grandes multinacionais da energia".
"É remar um bocadinho contra a maré, mas é exactamente essa a ideia, criar estes modelos alternativos", diz.
As multinacionais "são muitas vezes as responsáveis pelas guerras e pela destruição de povos indígenas e da natureza", acusa, apontando o "dedo", no caso de Portugal, às grandes indústrias energéticas instaladas em Sines.
"A Aldeia Solar é uma das estratégias importantes para demonstrar que a Paz é realmente possível", defende a coordenadora, insistindo que o modelo em testes pela Tamera pode ser reproduzido por todo o lado.
A energia necessária para as comunidades, sugere, "pode ser produzida descentralizadamente, em vez de uma grande central abastecer metade do país".
As tecnologias utilizadas na Aldeia Solar, que foi inaugurada no último sábado, 17, foram na sua maioria inventadas pelo alemão Jürgen Kleinwächter, que colabora com esta comunidade residente no Alentejo, a qual acaba por ser o seu "campo de ensaio". Até ao momento, em Tamera estão ainda a ser utilizadas as fontes de energia "normais", à base de combustíveis fósseis, mas com que a comunidade "quer acabar". Barbara Kovats assegura que, com a Aldeia Solar que vão testar, estão "a meio caminho" para se descomprometer, sendo que "o próximo passo" será encontrar "patrocinadores", para desenvolver a tecnologia e planear a sua reprodução.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
16:08, Segunda-feira, 08 de Abril de 2020
Modesto Vitória
Oxalá que o vosso projecto tenha muito sucesso.Para minimizar o aquecimento global necessitamos urgentemente de implementar em força as energias alternativaas. Possivelmente no dia 17 de Abril, vou visitar a Aldeia Solar, com um grupo (*-) 45 pessoas.
Modesto Vitória

07h00 - sexta, 24/01/2020
Beja vai receber
ministros de
17 países da UE
A cidade de Beja vai receber, no próximo dia 1 de Fevereiro (sábado), a reunião anual do Grupo dos Amigos da Coesão da União Europeia (EU), que juntará os primeiros-ministros e ministros de Portugal, República Checa, Grécia, Lituânia, Polónia, Eslováquia, Eslovénia, Chipre, Croácia, Estónia, Hungria, Letónia, Bulgária, Malta, Roménia, Espanha e Itália.
07h00 - sexta, 24/01/2020
Três detidos por
tráfico em Beja
A GNR deteve nesta quarta-feira, 22, em, Beja, três homens, com idades entre os 24 e os 34 anos, por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes no concelho.
07h00 - sexta, 24/01/2020
Autarcas reúnem com
presidente da ANACOM
Os autarcas do distrito de Beja reúnem nesta sexta-feira, 24, na sede da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL), com o presidente da ANACOM-Autoridade Nacional de Comunicações.
07h00 - sexta, 24/01/2020
Estrada Nacional 2
é um "buraco pegado"
A 26 de Janeiro de 2018 a Infra-estruturas de Portugal (IP) anunciava, através do "CA", que ia avançar com uma empreitada de "grande requalificação" em parte do troço da Estrada Nacional (EN) 2 que liga Aljustrel a Castro Verde.
07h00 - quinta, 23/01/2020
Câmara de Aljustrel exige
obras na Estrada Nacional 2
A Câmara de Aljustrel apresentou nesta terça-feira, 21, nova exposição ao ministro das Infra-estruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, sobre o mau estado em que se encontro o troço Aljustrel-Castro Verde da Estrada Nacional (EN) 2.

Data: 24/01/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial