00h00 - sexta, 04/01/2013

Junta de Santa Maria (Beja)
aposta na intervenção social

Junta de Santa Maria (Beja) aposta na intervenção social

O trabalho social nos bairros da Esperança e das Pedreiras tem sido uma prioridade do executivo da Junta de Freguesia de Santa Maria da Feira (Beja) nos últimos três anos.
Considerados os mais problemáticos bairros da cidade, o trabalho da Junta liderada pelo socialista Vítor Paixão nestes dois aglomerados urbanos tem incidido, sobretudo, no desenvolvimento de políticas e acções concretas de solidariedade e inclusão.
"Creio que devemos apostar na inclusão social, desde que as pessoas queiram efectivamente ser ajudadas", argumenta ao "CA" Vítor Paixão, garantindo que a Junta de Freguesia vai "até aos limites" das suas possibilidades para executar esse objectivo.
Uma das últimas apostas da edilidade em prol da solidariedade e da inclusão social foi a construção de um campo de jogos polidesportivo e de uma zona de lazer num terreno entre o Bairro da Esperança e a Colina do Carmo.
O investimento custou pouco mais de 35 mil euros e foi inaugurado no passado mês de Novembro, estando já a criar alguns dos resultados esperados.
"A partir do momento em que se cria um equipamento desportivo num bairro reconhecidamente problemático em termos sociais estamos, claramente, a promover a inclusão", vinca com satisfação Vítor Paixão.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
12:23, Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2020
Vitor Paixão
Sr. António Andrade.
Contrariamente ao que invoca, o Bairro dos Moinhos não foi esquecido; caso não se tenha apercebido melhorámos a zona envolvente ao polidesportivo, recuperámos 3 canteiros, contribuimos para a colocação de um abrigo de passageiros e temos apoiado socialmente naquilo que nos tem sido possivel. Temos também apoiado a iniciativa de verão denominada "noites nos moinhos", quer logistica quer monetariamente. Estão ainda previstas outras intervenções. Como deve calcular há que determinar onde acaba a responsabilidade de uns e começa a dos outros, ver a quem devemos imputar responsabilidades por esta ou aquela iniciativa, estabelecer prioridades e não menos importante, promover a cidadania e a participação civica, que contribui consideravelmente para a melhoria de muitas situações menos boas, ou pelo menos evitá-las. No que me compete reconheço que falta fazer muito, pelo que a critica é naturalmente legitima e bem aceite e desde já o convido a aparecer na junta ou a interceptar-me e falar pessoalmente comigo no sentido de tentar resolver algumas situações que afinal não especificou. Se eventualmente está desiludido com o meu mandato peço-lhe as minhas desculpas por isso e independentemente dos frutos (como refere) que possa vir a colher reitero o convite para tentarmos melhorar o que for de facto possivel melhorar.
Finalmente, e quanto á questão do Bairro das Pedreiras, da inclusão e solidariedade, espere para ler toda a reportagem; caso a mesma não seja publicada terei todo o gosto em transmitir-lhe o que penso e o que defendo.
Um bem haja e obrigado!
Vitor Paixão

15:06, Sexta-feira, 04 de Março de 2020
António Andrade
Seria também importante, a comunicação social local e não só, investigar os 70 000 mil euros de dívida que a etnia cigana (Bairro das Pedreiras) tem para com a EMAS. Surpreendentemente continuam aqueles a ter água canalizada. A ISTO SE CHAMA SOLIDARIEDADE e INCLUSÃO. Será que sabem a verdadeira essência de ditas palavras?

14:57, Sexta-feira, 04 de Fevereiro de 2020
António Andrade
Pena é, que o Sr. Vitor Paixão, não tenha cumprido o prometido aquando da campanha política. Apanágio disso - entre outros - é o abandono a que foi votado o Bairro dos Moinhos.
Situação não menos caricata é a responsabilização da etnia cigana, pura demagogia.
Embora tenha sido apoiante da referida campanha, não poderia deixar de o chamar à atenção.
Em sede de eleições, certamente, tirará os frutos do que semeou.


01:53, Sexta-feira, 04 de Janeiro de 2020
curva
Está de parabens o Sr. Vitor Paixão e a sua equipa poi aquele bairro já devia ter aquela infraestrutura à mais tempo. Os sinteticos ficavam para segunda prioridade por exemplo. Desejo boas futeboladas e poucos azares. A.Curva

22h13 - sexta, 10/07/2020
Covid-19: Testes negativos a
trabalhadores da Somincor
Os trabalhadores da Somincor, empresa mineira de Neves-Corvo, testados nesta quinta-feira, 9, ao coronavírus Covid-19 tiveram resultado negativo, adianta a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Criminalidade diminuiu no distrito de Beja em 2019
O distrito de Beja é o quinto mais seguro em todo o país, tendo registado um decréscimo na criminalidade geral em 2019.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Programa de apoio à
cultura esgotado em Beja
A cidade de Beja vai receber, nos próximos meses, três exposições, cinco sessões de contos, quatro sessões de teatro e marionetas e 11 espectáculos musicais, fruto das candidaturas apresentadas ao Programa Municipal de Apoio à Cultura (PEAC).
07h00 - sexta, 10/07/2020
Diocese de Beja assinala
250 anos da sua restauração
A 10 de Julho de 1770 foi restaurada, pelo Papa Clemente XIV, a Diocese de Beja, data assinalada 250 anos depois neste fim-de-semana, 10 a 12, com diversas iniciativas de cariz religioso.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Um caso de Covid-19
identificado em Neves-Corvo
Um trabalhador da Somincor residente no concelho de Almodôvar foi identificado como estando infectado com Covid-19, adiantaram nesta quinta-feira, 9, a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.

Data: 10/07/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial