12h31 - sábado, 19/01/2013

Universidade de Évora estuda
acidentes rodoviários com javalis

Universidade de Évora estuda acidentes rodoviários com javalis

As estradas nacionais e regionais do distrito de Évora são as de maior risco, no Alentejo e Algarve, para acidentes rodoviários por colisão com javalis, indicam resultados preliminares de um estudo universitário pioneiro no país.
A investigação foi desenvolvida na Universidade de Évora e consistiu numa tese de mestrado em Biologia da Conservação, discutida este mês na academia alentejana e da autoria de Estrela Matilde, orientada pelos docentes Sara Santos e António Mira.
Este estudo "é completamente pioneiro" em Portugal, afiançou à Agência Lusa a investigadora, explicando que existem outros sobre atropelamentos de animais, mas centrados em espécies mais pequenas, em que os atropelamentos parecem contribuir para o declínio das suas populações. No caso dos javalis, continuou, as consequências "passam mais pela segurança dos condutores", porque as populações desta espécie "estão a crescer muito", sobretudo no Alentejo, onde têm "muito habitat por explorar e alimento".
No estudo, foram desenvolvidos modelos que permitem prever os locais, no Alentejo e Algarve, onde o risco de acidentes rodoviários com javalis é potencialmente mais elevado.
A investigação baseou-se em 221 registos de acidentes rodoviários com javalis nos últimos 12 anos, fornecidos pelos destacamentos de Trânsito da GNR.
O objectivo, disse a investigadora, é contribuir para implementar medidas cautelares que previnam a ocorrência de colisões, de forma a melhorar a segurança rodoviária e a sobrevivência das populações de javali.
Como exemplo, Estrela Matilde indicou que, nos troços com mais atropelamentos, podem ser colocadas vedações mais fortes e enterradas ou sinais de aviso para os automobilistas e criados corredores para direccionar os animais para locais de passagem seguros, como pontes, viadutos ou estruturas específicas para passagem de fauna de grandes dimensões.
Os resultados do estudo, porém, são preliminares. A investigadora vai, agora, "validar aprofundadamente este modelo", voltando a analisar os dados de Évora e Portalegre, "onde há mais registos de acidentes".
Já em Beja, Setúbal e Faro, disse, "o número de registos é insuficiente para modelar de forma adequada o risco de acidente".


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sexta, 01/07/2016
Migrantes em Odemira
vão ter centro de apoio
O CLAIM – Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes vai ser reactivado no concelho de Odemira, numa iniciativa que junta a autarquia local a diversas entidades.
00h00 - quinta, 30/06/2016
Ferreira do Alentejo recebe
simpósio sobre frutos secos
O Pavilhão de Desportos de Ferreira do Alentejo recebe esta quinta-feira, 30 de Junho, a partir das 9h30, o Simpósio Nacional de Frutos Secos - Amendoeira, Nogueira e Pistácio.
00h00 - quinta, 30/06/2016
PS de Mértola refuta críticas da CDU
"Desacreditada, sem rumo, sem ideias, sem iniciativa" - é desta forma que o PS de Mértola caracteriza a CDU no concelho, refutando as críticas que a oposição comunista fez recentemente ao trabalho dos socialistas na gestão autárquica local.
00h00 - quarta, 29/06/2016
EMAS remodela rede
de água de Albernoa
A EMAS – Empresa Municipal de Água e Saneamento de Beja vai investir perto de 500 mil euros na remodelação das redes de água, águas residuais domésticas e pluviais de Albernoa.
00h00 - quarta, 29/06/2016
ACOS fiscaliza
fito-farmacêuticos
A ACOS – Agricultores do Sul foi reconhecida pela Direcção Geral de Alimentação e Veterinária como Centro de Inspecção Periódica Obrigatória de Equipamentos de Aplicação de Produtos Fito-farmacêuticos.

Data: 24/06/2016
Edição n.º:
Contactos - Publicidade