12h31 - sábado, 19/01/2013

Universidade de Évora estuda
acidentes rodoviários com javalis

Universidade de Évora estuda acidentes rodoviários com javalis

As estradas nacionais e regionais do distrito de Évora são as de maior risco, no Alentejo e Algarve, para acidentes rodoviários por colisão com javalis, indicam resultados preliminares de um estudo universitário pioneiro no país.
A investigação foi desenvolvida na Universidade de Évora e consistiu numa tese de mestrado em Biologia da Conservação, discutida este mês na academia alentejana e da autoria de Estrela Matilde, orientada pelos docentes Sara Santos e António Mira.
Este estudo "é completamente pioneiro" em Portugal, afiançou à Agência Lusa a investigadora, explicando que existem outros sobre atropelamentos de animais, mas centrados em espécies mais pequenas, em que os atropelamentos parecem contribuir para o declínio das suas populações. No caso dos javalis, continuou, as consequências "passam mais pela segurança dos condutores", porque as populações desta espécie "estão a crescer muito", sobretudo no Alentejo, onde têm "muito habitat por explorar e alimento".
No estudo, foram desenvolvidos modelos que permitem prever os locais, no Alentejo e Algarve, onde o risco de acidentes rodoviários com javalis é potencialmente mais elevado.
A investigação baseou-se em 221 registos de acidentes rodoviários com javalis nos últimos 12 anos, fornecidos pelos destacamentos de Trânsito da GNR.
O objectivo, disse a investigadora, é contribuir para implementar medidas cautelares que previnam a ocorrência de colisões, de forma a melhorar a segurança rodoviária e a sobrevivência das populações de javali.
Como exemplo, Estrela Matilde indicou que, nos troços com mais atropelamentos, podem ser colocadas vedações mais fortes e enterradas ou sinais de aviso para os automobilistas e criados corredores para direccionar os animais para locais de passagem seguros, como pontes, viadutos ou estruturas específicas para passagem de fauna de grandes dimensões.
Os resultados do estudo, porém, são preliminares. A investigadora vai, agora, "validar aprofundadamente este modelo", voltando a analisar os dados de Évora e Portalegre, "onde há mais registos de acidentes".
Já em Beja, Setúbal e Faro, disse, "o número de registos é insuficiente para modelar de forma adequada o risco de acidente".


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sábado, 19/08/2017
Amanto retirado
da escola da Salvada
A Câmara de Beja tem a decorrer obras de reabilitação na Escola Básica de Salvada, que incluem a remoção da actual estrutura de fibrocimento com amianto e a colocação de uma nova cobertura.
00h00 - sábado, 19/08/2017
Novos centros escolares
em São Teotónio e São Luís
A Câmara de Odemira já tem em marcha os projectos dos novos centros escolares de São Teotónio e de São Luís, obras que estão avaliados num montante total superior a 2,7 milhões de euros.
00h00 - sábado, 19/08/2017
Novos equipamentos para
trabalhadores da CM Serpa
A Câmara de Serpa entregou esta semana novos equipamentos de protecção individual (EPI) aos trabalhadores da sua Divisão de Obras Municipais e Ambiente (DOMA).
00h00 - sexta, 18/08/2017
Risco de incêndio elevado no distrito de Beja
O Governo declarou nesta quinta-feira, 17, o estado de calamidade pública em algumas zonas do território nacional, entre as quais diversos concelhos do distrito de Beja.
00h00 - sexta, 18/08/2017
Serviços de saúde nas praias
de Milfontes e Zambujeira
A Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) tem a funcionar, até final deste mês de Agosto, dois postos de saúde nas praias de Vila Nova de Milfontes e Zambujeira do Mar, ambas no concelho de Odemira.

Data: 04/08/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial