01h00 - quinta, 01/01/1970

A inexistência de todas as cores


Pedro do Carmo
Sendo que o Documento Verde da Reforma da Administração Local trata uma das mais importantes reformas políticas e administrativas em Portugal, não é compreensível que a ligeireza tome conta das intenções do governo, revelando desnorte, irresponsabilidade e insensibilidade.
Começo com este tom directo porquanto me inquieta que perante a necessidade de dar força ao Poder Local, de estimulá-lo no progresso da qualidade dos serviços e das estratégias de desenvolvimento harmonioso do território nacional, descubro, aos poucos – tal como nos é dado a saber, que por detrás de tão demagógica proposta reside um dos maiores ataques à democracia de proximidade, à cidadania e à interioridade.
E preocupa-me a interioridade e tudo aquilo que sob o seu conceito se deve proteger: As pessoas e as suas comunidades, que vivem no isolamento, a quem agora se deseja retardar o passo relativamente a outros cidadãos que ocupam as zonas urbanas, por interesses e prioridades eleitorais.
Preocupam-me as ideias preconceituosas e neoliberais que buscam o centralismo como a solução do poder; a insensível leveza das propostas que desejam aniquilar o que de bom este país também tem para além da contabilidade eleitoral; e indigno-me com a cruel verdade das intenções de quem quer destruir as identidades e a coesão social e económica de concelhos e de freguesias.
É hora de afrontarmos quem não nos quer bem, quem desconhece a nossa realidade, de quem busca apenas o facilitismo como maneira de resolver os problemas, ainda que para isso se criem mais problemas e bem mais graves problemas! Insensíveis por doutrina e por ignorância!
É importante que nos unamos na defesa da nossa vivência e de um modelo político e administrativo que tem promovido progresso e melhoria das condições de vida dos cidadãos, independentemente da sua localização geográfica, a sua importância na resolução dos problemas das populações isoladas, que são verdadeiras lojas do cidadão, centradas nas pessoas e úteis no apoio social de que a maioria carece. São, tantas e tantas vezes, o último porto de abrigo das populações, o único elo entre o estado e os cidadãos.
E são, agora, as autarquias e as pessoas, o álibi de um livro inexistente de cores, sem vida... Porque estes novos desenhos querem-nos a "régua e esquadro"!



Outros artigos de Pedro do Carmo

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 19/08/2019
Cuidadores têm um papel essencial
Uma das "chaves" para o sucesso da Unidade Domiciliária de Cuidados Paliativos (UDCP) de Mértola são os cuidadores, por norma os cônjuges e/ou os filhos dos utentes apoiados.
07h00 - segunda, 19/08/2019
Trabalho da Unidade Domiciliária é para continuar
Com nove anos de existência no terreno, a UDCP de Mértola entrou recentemente numa nova fase da sua actuação, com financiamento garantido pelo Portugal 2020, através do POISE.
07h00 - segunda, 19/08/2019
Mértola tem unidade domiciliária
para os cuidados paliativos
A vida de Eugénio Encarnação foi passada em água, navegando noites a fio pela corrente do Guadiana a partir da Penha d'Águia.
07h00 - segunda, 19/08/2019
ART de Castro Verde
premiada pelo BPI/La Caixa
A ART-Associação de Respostas Terapêuticas, de Castro Verde, foi uma das 24 entidades recentemente distinguidas no âmbito da primeira edição do Prémio Infância do BPI/ La Caixa.
07h00 - segunda, 19/08/2019
Aljustrelense entra a
perder no campeonato
O Mineiro Aljustrelense entrou a perder na temporada de 2019-2020, em que volta a disputar a Série D do Campeonato de Portugal (o equivalente à 2ª divisão nacional).

Data: 09/08/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial