09h42 - quinta, 14/04/2016

Reagir ao terrorismo


D. António Vitalino Dantas
Perante os atentados contra cidadãos que lutam pela vida com meios democráticos e pacíficos todos sentimos uma profunda dor e apelamos aos que assim procedem para acabar com estes atos de terror. Como cristãos rezamos por eles e pelas suas vítimas e imploramos de Deus a conversão ao amor e a consolação para quem sofre. Mas também pedimos aos governos e instituições internacionais para intervir, sentando à mesa do diálogo os representantes das fações em litígio e buscando soluções pacíficas, compromissos possíveis, no respeito pelas diferenças culturais e religiosas.
As organizações da sociedade civil podem conseguir melhores resultados que os governos, pois estes estão muito identificados com os seus interesses económicos e políticos. Cito apenas o exemplo do Quarteto para o Diálogo Nacional na Tunísia, a quem foi atribuído o prémio Nobel da paz deste ano de 2015. Estas instituições conseguiram transformar a primavera árabe na Tunísia numa oportunidade para uma democracia pluralista e desenvolver um processo político alternativo no momento em que o país estava à beira de uma guerra civil.
Tudo isto parece uma ingenuidade. Mas acredito que água mole em pedra dura tanto dá até que fura, como diz o nosso ditado. A evolução da humanidade é lenta, mas o recurso à guerra, à violência, é um retrocesso. Os fins não justificam os meios. A educação na família, na escola, nas comunidades religiosas deve ajudar a construir a paz. Bem-aventurados os que sofrem por causa da paz, proclamou Jesus.
Homens, sede homens, gritou o Papa Paulo VI na ONU e em Fátima. Também nós temos de continuar a gritar, para acordarmos os violentos, os indecisos e os indiferentes. Mas ao mesmo tempo gritar pela justiça, pela solidariedade, pela compaixão, pela misericórdia, de modo que todos sintam e vejam o outro como um amigo, um irmão, que caminha connosco nas alegrias e tristezas, nos sucessos e fracassos, na penúria e na abundância.
A oração da Igreja alerta-nos para a caducidade das coisas materiais e da história do mundo, mas também para o Senhor que vem salvar-nos. Neste processo, sabendo que não temos aqui morada permanente, estejamos vigilantes e ajudemo-nos fraternalmente na peregrinação da vida.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 18/02/2020
Ourique constrói novas ETAR
em Grandaços e Santana da Serra
A Câmara de Ourique vai investir um total de cerca de 283 mil euros nas novas estações de tratamento de águas residuais (ETAR) nas aldeias de Grandaços (já construída) e de Santana da Serra (em construção).
07h00 - terça, 18/02/2020
EMAS faz obras
em Santa Vitória
A Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja vai iniciar, já no mês de Março, uma intervenção na rede de água da aldeia de Santa Vitória, num investimento avaliado em cerca de 28 mil euros.
07h00 - terça, 18/02/2020
CM Odemira atribui
bolsas de estudo
A Câmara de Odemira vai atribuir, neste ano lectivo de 2019-2020, um total de 61 bolsas de estudo a alunos do concelho que frequentam o ensino superior e três prémios de mérito para alunos do ensino secundário, num investimento de quase 75 mil euros.
07h00 - segunda, 17/02/2020
Domingo de Taça
sem surpresas
Não houve grandes surpresas nos jogos da segunda eliminatória da Taça do Distrito de Beja de 2019-2020 (oitavos-de-final), realizados na tarde deste domingo, 16 de Fevereiro.
07h00 - segunda, 17/02/2020
"PS presta contas"
na cidade de Beja
O Beja Parque Hotel, na cidade de Beja, recebe nesta segunda-feira, 17, pelas 21h00, a iniciativa "PS Presta Contas", que contará com a presença na ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão.

Data: 07/02/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial