09h42 - quinta, 14/04/2016

Reagir ao terrorismo


D. António Vitalino Dantas
Perante os atentados contra cidadãos que lutam pela vida com meios democráticos e pacíficos todos sentimos uma profunda dor e apelamos aos que assim procedem para acabar com estes atos de terror. Como cristãos rezamos por eles e pelas suas vítimas e imploramos de Deus a conversão ao amor e a consolação para quem sofre. Mas também pedimos aos governos e instituições internacionais para intervir, sentando à mesa do diálogo os representantes das fações em litígio e buscando soluções pacíficas, compromissos possíveis, no respeito pelas diferenças culturais e religiosas.
As organizações da sociedade civil podem conseguir melhores resultados que os governos, pois estes estão muito identificados com os seus interesses económicos e políticos. Cito apenas o exemplo do Quarteto para o Diálogo Nacional na Tunísia, a quem foi atribuído o prémio Nobel da paz deste ano de 2015. Estas instituições conseguiram transformar a primavera árabe na Tunísia numa oportunidade para uma democracia pluralista e desenvolver um processo político alternativo no momento em que o país estava à beira de uma guerra civil.
Tudo isto parece uma ingenuidade. Mas acredito que água mole em pedra dura tanto dá até que fura, como diz o nosso ditado. A evolução da humanidade é lenta, mas o recurso à guerra, à violência, é um retrocesso. Os fins não justificam os meios. A educação na família, na escola, nas comunidades religiosas deve ajudar a construir a paz. Bem-aventurados os que sofrem por causa da paz, proclamou Jesus.
Homens, sede homens, gritou o Papa Paulo VI na ONU e em Fátima. Também nós temos de continuar a gritar, para acordarmos os violentos, os indecisos e os indiferentes. Mas ao mesmo tempo gritar pela justiça, pela solidariedade, pela compaixão, pela misericórdia, de modo que todos sintam e vejam o outro como um amigo, um irmão, que caminha connosco nas alegrias e tristezas, nos sucessos e fracassos, na penúria e na abundância.
A oração da Igreja alerta-nos para a caducidade das coisas materiais e da história do mundo, mas também para o Senhor que vem salvar-nos. Neste processo, sabendo que não temos aqui morada permanente, estejamos vigilantes e ajudemo-nos fraternalmente na peregrinação da vida.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 18/09/2019
MFS com candidatura
a fundos comunitários
para reabrir em Moura
Um grupo empresarial apresentou uma candidatura, na CCDR Alentejo, visando o desenvolvimento de um projecto ligado às energias renováveis e a outras componentes da fileira energética nas instalações da antiga Moura Fábrica Solar (MSF).
07h00 - quarta, 18/09/2019
Aulas de dança
em Almodôvar com
novos horários
A escola de dança da associação Almovimento, de Almodôvar, tem novos horários desde o início deste mês de Setembro, altura em que recomeçaram as aulas com o professor Fábio Duarte na Casa do Povo.
07h00 - quarta, 18/09/2019
Novos trilhos pedonais
no concelho de Aljustrel
A Câmara de Aljustrel viu aprovada, pelo Alentejo 2020, a candidatura a financiamento apresentada para o projecto que visa a criação de uma série de percursos pedonais no concelho.
17h07 - terça, 17/09/2019
Incêndio em Panóias
corta trânsito no IC1
Um incêndio numa zona de mato na área da União de Freguesias de Panóias e Conceição, no concelho de Odemira, está a ser combatido por 69 bombeiros e obrigou ao corte do IC1 nos dois sentidos entre a Estação de Ourique e o cruzamento de Panóias.
15h57 - terça, 17/09/2019
Faleceu ex-vereadora
da Câmara de Castro
Faleceu nesta terça-feira, 17 de Setembro, Maria Alice Guerreiro, de 72 anos, que foi vereadora da Câmara Municipal de Castro Verde, eleita pela CDU, no mandato de 1993 a 1997.

Data: 13/09/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial