11h04 - quinta, 11/05/2017

A fé e o medo


Napoleão Mira
Hoje chega a Portugal um homem que admiro profundamente. Falo de Jorge Bergoglio, o revolucionário Papa Francisco.
Ora isto vindo da boca de um agnóstico tresanda a incongruência.
Sim! Assumo-me agnóstico e incongruente!
Assumidas fraquezas e franquezas, não posso deixar de dizer que Francisco foi a melhor coisa que aconteceu à Igreja Católica nos últimos tempos.
Infelizmente, não fui contemplado com o dom da fé religiosa!
Tenho profunda admiração por aqueles que se deslocam a pé dos vários pontos do país até ao santuário de Fátima, para aí, serem atendidos nas suas preces, especialmente em ano do centenário das aparições e, ainda por cima, com a presença do representante de Deus na terra.
A malfadada da minha noção de lógica não me permite acreditar no que creem esses milhares de peregrinos que, vencendo dores, bolhas, quilómetros e cansaços aportam a Fátima com um sorriso de júbilo digno da minha saudável inveja.
Bem sei que me responderão que isto nada tem a ver com lógica. Que é simples. Que, ou se crê, ou não se crê. Pois bem: Eu, por mais que tente... não consigo acreditar!
Isto remete-me para um episódio de banda desenhada que li há muitos anos num dos célebres álbuns da coleção Astérix e Obélix , no caso presente: Asterix e os Normandos.
Contava a história que esses bárbaros Normandos, desconhecedores do medo, teriam descido até à Gália para desvendarem o segredo de voar. Acreditavam que para ver o mundo como os pássaros o vêem era preciso recear e quanto mais pavor, melhor se podia voar.
Ao depararem-se um imprudente aldeão, este quase se borrava de medo ao confrontar-se com tais grosseiras figuras.
O pavor estava-lhe marcado no rosto. O corpo não lhe obedecia às ordens para fugir. Não conseguia articular palavra. O suor corria-lhe em bica pela fronte. Enfim, na ótica dos invasores, estavam na presença do: Campeão do Medo.
Com este invulgar espécime entre mãos cedo cantaram vitória. Estavam convencidos que se lhe conseguissem extrair a fórmula do medo, conseguiriam ganhar asas.
Como os gauleses só tinham medo de uma coisa: que o céu lhes caísse em cima da cabeça, foram os brutamontes, como era de prever, mal sucedidos.
Ao aproximarem-se, Asterix e Obelix infligiram-lhes tal bordoada que os bárbaros do norte experimentaram pela primeira vez o mesmo sentimento de pavor que tinham imposto ao pobre aldeão.
Derrotados, mas convencidos que já sabiam voar, não lhes restou alternativa senão experimentarem fazê-lo do alto do precipício onde decorria a contenda com o resultado previsível que se pode imaginar.
Não sei porquê, ou se calhar sei, encontrei nesta estória um certo paralelismo com aquela com que comecei esta crónica.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - segunda, 22/01/2018
Aljustrel define estratégia
para 2018 na área
da protecção civil
A Comissão Municipal de Protecção Civil de Aljustrel aprovou na passada semana o seu plano de trabalho para 2018, que inclui acções de sensibilização e outras intervenções.
00h00 - segunda, 22/01/2018
Unidade Móvel de
Saúde de Mértola com
campanhas no "terreno"
A Unidade Móvel de Saúde da Câmara de Mértola inicia nesta semana duas novas campanhas de sensibilização da população para a necessidade de prevenção de quedas e sobre os perigos da auto-medicação.
00h00 - segunda, 22/01/2018
EMAS Beja traça
prioridades para 2018
A Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja tem como grande prioridade em 2018 realizar "intervenções muito cirúrgicas e específicas em toda a rede de águas, quer da cidade quer das freguesias rurais".
07h00 - domingo, 21/01/2018
DECO dá apoio
jurídico em Odemira
A DECO/ Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor iniciou nesta semana as sessões gratuitas de atendimento ao consumidor na vila de Odemira em 2018, que decorrerão sempre na terceira quinta-feira de cada mês.
00h00 - domingo, 21/01/2018
Beja: PS elogia orçamento,
CDU critica algumas opções
A Assembleia Municipal de Beja aprovou nesta semana o Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2018 da Câmara, no valor de 33,8 milhões de euros, mas o documento é avaliado de diferente forma por PS e CDU.

Data: 12/01/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial