10h55 - quinta, 25/05/2017

Intolerância e preconceito


Vítor Encarnação
Nas terras mais pequenas, a distância física que separa as pessoas é naturalmente menor. Inversamente proporcional é o conhecimento que as pessoas têm umas das outras. Estes dois dados criam relações pessoais e comunitárias que variam entre a identificação total e a discordância absoluta. Racionalmente, quase ninguém sabe explicar as razões que sustentam uma e outra situação. A história das terras pequenas é muito emocional.
As terras onde toda a gente se conhece são mais dadas aos comportamentos combinados dentro do seio do grupo. Perante uma determinada circunstância, política, cultural, religiosa, os membros dessa agregação tendem a funcionar da mesma forma, primeiro por causa da preservação da identidade e segundo por causa da negação da pretensa identidade dos outros. Frise-se que o segundo, por razões de afirmação de força, é sempre muito mais importante do que o primeiro.
A distinção, ou a suposta distinção, provém de heranças. Heranças partidárias e heranças de posses, no topo. Heranças clubísticas, a seguir. Heranças de intelecto livre, em muito menor número. E imbuídos desta marca e deste estatuto, os membros respeitam e praticam formas alinhadas de ver o mundo. E estas afinidades são aquilo que dá forma ao sentimento de pertença. Bandeiras, ideologias, roupas, símbolos. E entre iguais sentimo-nos mais seguros, nem sempre certos das virtudes, da justiça e do rigor, mas efectivamente mais seguros.
A herança das posses tem vindo a perder o domínio social que costumava ter e a herança do intelecto livre raramente se dá bem com um grupo grande de pessoas a pensarem da mesma maneira. A herança clubística, face à fidelidade dos seus membros fica sempre unida quer na alegria, quer na tristeza.
Sobra e grassa a herança partidária. Assim, os partidos políticos são o exemplo mais acabado dos comportamentos fechados e inflexíveis. É muito raro ver alguém a concordar com um adversário. Elogiá-lo, nem pensar. Mesmo que se lhe dê alguma finíssima razão, há sempre um reparo final que os distancia. Quando tudo corre bem, quando se está na mó de cima, e o tempo tem mós como os moinhos, basta tocar a rebate para que todos se juntem para combater o perigo em nome da causa comum, em nome da grei, em nome da herança.
Mas nas terras pequenas, quando tudo corre mal, piores do que os adversários externos são os adversários internos que receberam a mesma herança e foram criados dentro do mesmo legado. São esses, os que já estiveram do mesmo lado da barricada e furaram o código, que trazem vinganças frias guardadas nos bolsos da memória. E estão armados com duas palavras terríveis: intolerância e preconceito.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - segunda, 22/01/2018
Aljustrel define estratégia
para 2018 na área
da protecção civil
A Comissão Municipal de Protecção Civil de Aljustrel aprovou na passada semana o seu plano de trabalho para 2018, que inclui acções de sensibilização e outras intervenções.
00h00 - segunda, 22/01/2018
Unidade Móvel de
Saúde de Mértola com
campanhas no "terreno"
A Unidade Móvel de Saúde da Câmara de Mértola inicia nesta semana duas novas campanhas de sensibilização da população para a necessidade de prevenção de quedas e sobre os perigos da auto-medicação.
00h00 - segunda, 22/01/2018
EMAS Beja traça
prioridades para 2018
A Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja tem como grande prioridade em 2018 realizar "intervenções muito cirúrgicas e específicas em toda a rede de águas, quer da cidade quer das freguesias rurais".
07h00 - domingo, 21/01/2018
DECO dá apoio
jurídico em Odemira
A DECO/ Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor iniciou nesta semana as sessões gratuitas de atendimento ao consumidor na vila de Odemira em 2018, que decorrerão sempre na terceira quinta-feira de cada mês.
00h00 - domingo, 21/01/2018
Beja: PS elogia orçamento,
CDU critica algumas opções
A Assembleia Municipal de Beja aprovou nesta semana o Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2018 da Câmara, no valor de 33,8 milhões de euros, mas o documento é avaliado de diferente forma por PS e CDU.

Data: 12/01/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial