11h54 - quinta, 05/10/2017

Independência


Vítor Encarnação
Édas palavras mais belas que existem. Belas mas difíceis de conseguir. Não é toda a terra política, cultural e educativa que as dá. Há, aliás, cada vez menos chão que as produza em quantidade suficiente para alimentar as pessoas e as manter saudavelmente independentes.
O cultivo da independência é posto de lado, sai caro, precisa de tempo, de livros sobre o passado, de sonhos sobre o futuro, de capacidade de análise, de direito à opinião, de pais dedicados, de escolas atentas, de políticos desinteressados.
A independência é uma coisa parecida com uma árvore, daquelas que não abanam. Mas também é parecida com os pássaros. Principalmente com os pássaros – os livres, bem entendido. E também é parecida com a equidistância e com a capacidade de dizer não e com o olhar de frente e com o não precisar de favores e cunhas para nada.
E por isso tem que se ensinar abundante e continuamente que a vida de cada um não pode depender do grupo de pares, da misericórdia, da chantagem, do resultado de eleições, das palmadas nas costas, dos sorrisos falsos e de circunstância. E o que não falta por aí são estas pressões e estes esquemas, e de tão profusamente disseminados na nossa sociedade até parece que fazem parte do nosso modo de vida. Pertencer a qualquer coisa, estar integrado, não sair da linha, respeitar qualquer tipo de autoridade por mais arbitrária e incompetente que ela seja, fazer-se de morto, não dizer nada, não fazer nada com medo das consequências que daí possam advir.
Obviamente que estar dependente não é uma escolha, é quase sempre fruto de um espartilho, um plano urdido sob a insuspeita capa da democracia e da liberdade.
A independência não começa aos dezoito anos, o cartão de cidadão não nos dá nenhuma capacidade de perceber o mundo, não, tem de ser logo lá mais atrás que os cidadãos se formam, se instruem, para que estejam atentos, despertos e deles, das suas falhas por ausência de horizontes, não haja aproveitamento. Mas há tanto aproveitamento dessa inaptidão dos indivíduos, há tanto poder abusivo exercido sobre as suas dependências e as suas necessidades.
E o poder que se exerce sobre um indivíduo alastra-se ao resto da família, arrasta-a também para a submissão institucional, económica e cultural, formando uma imensa rede de subordinação e servidão. Por pouco que seja, por pequenas migalhas que se recebam, pão aqui, circo ali, o mais grave seria perder esses escassos benefícios. Ainda que isso implique matar o orgulho e a dignidade.
A independência de um cidadão perante a prepotência dos homens poderosos é um trabalho muito árduo. Por isso há tão poucos realmente livres.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 20/06/2018
Jovens "cientistas"
de Odemira premiadas
Imagine-se uma pequena larva capaz de comer e digerir esferovite.
07h00 - quarta, 20/06/2018
Goleador Tino vai
regressar ao Mineiro
Na próxima temporada de 2018-2019 o Mineiro Aljustrelense vai lutar pelo título distrital da 1ª divisão (e consequente subida ao nacional), garante o recém-eleito presidente do clube tricolor.
07h00 - quarta, 20/06/2018
ANAFRE reuniu com
autarcas do litoral
O provável encerramento da agência da Caixa Geral de Depósitos em Colos, no concelho de Odemira, vai ser discutido na próxima reunião do conselho directivo da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), que se realiza na sexta-feira, 22.
07h00 - terça, 19/06/2018
AgdA investe no abastecimento
ao concelho de Odemira
A empresa Águas Públicas do Alentejo (Agd) vai investir cerca de 2,6 milhões de euros na melhoria do abastecimento de água às localidades de Fornadas Velhas (Odemira), Foros do Locário e Ermidas-Sado (Santiago do Cacém) a partir da ETA do Roxo.
07h00 - terça, 19/06/2018
Misericórdia de Ourique
requalificou creche
A Santa Casa da Misericórdia de Ourique (SCMO) inaugura nesta terça-feira, 19, pelas 11h30, o edifício da creche e pré-escolar Carlos Manuel Castro e Nunes, que foi alvo de profundas obras de requalificação.

Data: 15/06/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial