12h35 - quinta, 08/02/2018

Rankings nas escolas? Porquê?


Carlos Pinto
No último fim-de-semana cumpriu-se uma "tradição" de há anos: a revelação, por parte da maior parte da comunicação social, dos rankings das escolas portuguesas, tendo por base os resultados dos exames realizados pelos alunos do 9º ano e do Secundário em 2016-2017. Ao longo de dois dias escalpelizaram-se resultados (sendo que cada órgão de comunicação social tinha a sua própria tabela), analisaram-se causas e efeitos dos mesmos, houve reportagens nas "melhores" e também nas "piores" escolas. Mas passado este frenesim, há uma questão que continua por responder: afinal, para que servem estes rankings?
A pergunta não surge por acaso. Afinal de contas, são muitos os responsáveis educativos que rejeitam este tipo de avaliação ao "rendimento" das escolas e até o próprio Ministério da Educação não reconhece este tipo de classificação. Mais uma vez, impõe-se que questionemos: para que(m) servem estes rankings?
Ao fim e ao cabo, a resposta talvez seja… para nada! Porque não é correcto proceder a este tipo de avaliações e análises tomando todos por igual, sem ter em conta os contextos sociais e económicos de cada aluno, as condições de cada estabelecimento de ensino e até a realidade de cada região. É que o ensino público é diferente do privado. O quadro que encontramos numa escola na zona da Boavista no Porto, frequentada por jovens provenientes da classe média-alta e com ambientes familiares sólidos e estruturados, nunca pode ser comparado com o quadro de um estabelecimento que apenas recebe alunos vindos dos bairros sociais de Setúbal. E a realidade de Évora nunca será igual à de Sabóia…
Em suma, os rankings das escolas, tal qual existem agora, de nada servem. Seria bem mais útil que se tirasse partido da informação recolhida para avaliar o que pode ser melhorado em cada escola e em cada contexto de ensino, em vez de andarmos a brincar aos "campeonatos das escolas".



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 22/02/2019
Somincor com lucro de 75,3 milhões em 2018
A Somincor-Sociedade Mineira de Neves-Corvo terminou 2018 com vendas na ordem dos 357 milhões de euros e um lucro bruto de 75,3 milhões de euros, naquele que foi o melhor resultado da empresa nos últimos quatro anos.
07h00 - sexta, 22/02/2019
"PSD tem que sair
da Praça da República"
O empresário Gonçalo Valente, 38 anos, é o novo presidente da Distrital de Beja do PSD e em entrevista ao "CA" revela as prioridades dos sociais-democratas da região para os próximos dois anos.
07h00 - sexta, 22/02/2019
Resialentejo recolhe
tampas de plástico
A empresa intermunicipal Resialentejo, que opera em oito concelhos do distrito de Beja, estabeleceu um protocolo com a "Coração Delta", do Grupo Nabeiro, para a dinamização do projecto "Dê Uma Tampa".
07h00 - sexta, 22/02/2019
Odemira eleita na Rede
das Cidades Educadoras
A Câmara de Odemira foi reeleita, pela terceira vez, para a comissão coordenadora da Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadores, que é constituída por 74 municípios de Norte a Sul do país.
07h00 - quinta, 21/02/2019
Presidente da Almina:
"Vamos investir 25 milhões em 2019"
O presidente da administração da Almina faz um balanço positivo do ano de 2018, ainda que a empresa não tenha conseguido alcançar os resultados previstos.

Data: 22/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial