16h20 - quinta, 12/07/2018

Há futuro para os cereais?


Carlos Pinto
De acordo com os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), desde 2012 que Portugal regista uma diminuição da área semeada de cereais, prevendo-se que na presente campanha se atinja um mínimo histórico de 121 mil hectares, "apenas" a menor área dos últimos 100 anos. Pior: segundo a mesma fonte, Portugal apenas produz trigo equivalente para seis por cento das suas necessidades anuais, sendo necessário importar o restante, com todos os prejuízos à economia nacional daí decorrentes.
Por tudo isto, o Ministério da Agricultura já tem em marcha a Estratégia Nacional para a Promoção da Produção de Cereais, que o ministro Capoulas Santos iria, segundo algumas fontes, levar a conselho de ministros nesta última quinta-feira, 12 de Julho [já depois do fecho desta edição do "CA"]. As metas a alcançar e as acções a desenvolver no âmbito desta Estratégia Nacional para a Promoção da Produção de Cereais, visam, objectivamente, colocar Portugal a produzir muito mais que aquilo que produz actualmente. Não o suficiente para fazer face às necessidades do país, mas o suficiente para equilibrar a balança comercial de Portugal.
Ora para isso acontecer tem de haver apoios concretos (sobretudo financeiros) e uma visão do país como um todo, não privilegiando apenas determinados territórios "mais produtivos". É por isso que esta estratégia deve também ter em atenção zonas como o Campo Branco ou a margem direita do concelho de Mértola, onde a água para o regadio não existe e a produção de cereais é ainda uma actividade vital para as comunidades locais (e até para muitos produtos regionais de alta qualidade, como o pão alentejano).
Esperamos, portanto, que com a nova Estratégia Nacional para a Promoção da Produção de Cereais se abra uma janela de esperança para os agricultores que hoje resistem a fazer trigo e cevada. E que com ela – a par de outras medidas – se consiga o necessário rejuvenescimento dos nossos campos.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quinta, 12/12/2019
Agricultores e PSD contestam
restrições nas agro-ambientais
A Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo (FAABA) e a Distrital de Beja do PSD vieram a público contestar a decisão do Ministério da Agricultura de de restringir os apoios às medidas agro-ambientais a uma medida por beneficiário até ao próximo quadro comunitário.
07h00 - quinta, 12/12/2019
Câmara de Beja vende
nove lotes industriais
A Câmara de Beja concretizou na terça-feira, 10, a venda de nove lotes na Zona de Acolhimento Empresarial Norte para a instalação de equipamentos industrais e de apoio à actividade económica, num montante total de pouco mais de 212 mil euros.
07h00 - quinta, 12/12/2019
Campanha de Natal
no comércio de Mértola
A Câmara de Mértola tem a decorrer, até 6 de Janeiro (dia de Reis), mais uma edição da campanha "Neste Natal compre no comércio local e ganhe prémios", que visa promover, incentivar e dinamizar as compras no comércio local na época natalícia na "vila-museu".
07h00 - quarta, 11/12/2019
Projecto "PlaCarvões"
recebe prémio regional
O projecto "PlaCarvões: De Plásticos a Carvões Activados-Economia circular nos plásticos agrícolas e urbanos", venceu o prémio "Economia Circular nas Instituições Não Empresariais do Alentejo", atribuído pela ADRAL e pela CCDR do Alentejo.
07h00 - quarta, 11/12/2019
"Empregabilidade tem
sido prioridade em Aljustrel"
A empregabilidade e o desenvolvimento económico e social do concelho continuam no topo das prioridades da Câmara de Aljustrel, revela o autarca Nelson Brito em entrevista ao "CA".

Data: 06/12/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial