16h25 - quinta, 27/09/2018

Parentalidade


Vítor Encarnação
Parece escusado dizer-se que ninguém é pai ou mãe sem ter sido filho ou filha. Para esclarecer esta redundância é necessário afirmar que há um conjunto de aprendizagens afectivas, cognitivas e sociais, ou a ausência delas, que marcaram a infância de cada um e se replicam, ou se tentam replicar, agora na condição de pais.
Nos últimos tempos, as crianças e os jovens têm sido objecto de uma crescente importância jurídica e paralelamente têm vindo a gozar de crescentes direitos de protecção, assegurados e aplicados por instituições de âmbito local. Mas infelizmente nem toda a legislação, nem toda a regulamentação e nem toda a definição dos direitos e deveres que enquadram o relacionamento entre pais e filhos têm sido suficientes para prevenir ou pôr termo a situações complexas.
O núcleo familiar insere-se na esfera privada e tal facto origina frequentemente o desconhecimento de casos, ou, se conhecidos, dificulta muitas vezes a sua simples abordagem e frequentemente impede a sua resolução.
O conceito de parentalidade, nas suas várias dimensões, é entendido de diversas formas pelos pais.
Há quem o perceba nas suas dimensões jurídicas e psicológicas e entenda que um filho ou uma filha não são uma sua propriedade sobre a qual se pode exercer um poder discricionário. São estes os pais que, independentemente de toda a legislação, para quem nem era necessário que a houvesse, conseguem replicar esse conjunto de aprendizagens afectivas, cognitivas e sociais. São estes os pais que não precisam de ser reinventados e que, para além de bons exemplos, podem ser parceiros na consecução dos objectivos por parte das instituições.
Há quem não o perceba porque não tem a capacidade de interpretar a lei, sequer de exercer o seu papel de progenitor. São estes os pais que por ausência de aprendizagens afectivas, cognitivas e sociais na sua infância não conseguem compensar e dotar aos seus filhos de algo que eles não tiveram. Estes pais precisam de ser ajudados e são, porventura, os mais disponíveis para receberem esse apoio.
Há quem o perceba na teoria mas não o aceite como válido e o considere impertinente e uma ingerência abusiva do estado e das instituições na sua vida privada. São estes os pais que entendem ser da sua exclusiva responsabilidade a educação dos seus filhos, raramente admitem que falham e defendem incondicionalmente os seus rebentos. Neste modelo reside a maior dificuldade de relacionamento institucional e o caminho para o auxílio estreita-se quase sempre.
São estas três tipologias, sobre as quais se fez uma análise simplista, que reflectem a sociedade em que vivemos. Há quanto a mim um número que vai diminuindo na primeira tipologia referida e um número que cresce na segunda e terceira tipologias. Preocupa-me muito quem não consegue, mas confesso que me arrepia muito quem não admite o erro.
Quando falo destas coisas lembro-me sempre de uma frase que ouço desde miúdo, às vezes injusta, outras vezes acertada, outras vezes ofensiva: "Muito bons são os moços tendo em conta os pais que têm".



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h49 - terça, 16/10/2018
Nova exposição
em Castro Verde
O Fórum Municipal de Castro Verde recebe a partir desta terça-feira, 16 de Outubro, a exposição "Castro Verde, Identidade e Memória: IV Séculos de Registos", que tem por base registos do Arquivo Distrital de Beja.
07h00 - terça, 16/10/2018
Odemira celebra Dia
da Responsabilidade Social
A Câmara de Odemira promove nesta terça-feira, 16 de Outubro, o Dia da Responsabilidade Social, dinamizado no âmbito do Ser Responsável-Programa de Responsabilidade Social das Empresas do Concelho de Odemira.
07h00 - terça, 16/10/2018
Obra do novo Palácio
de Justiça de Beja avança
Foi publicado nesta segunda-feira, 15, o despacho da secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Ribeiro, que autoriza o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ) a avançar com o procedimento de concurso para a construção do novo Palácio de Justiça de Beja, investimento avaliado em quatro milhões de euros.
07h00 - segunda, 15/10/2018
Obras para minimizar
poeiras em Aljustrel
A Almina–Minas do Alentejo, proprietária das minas de Aljustrel, vai avançar com novas medidas de minimização da dispersão de poeiras, nomeadamente na zona da britagem de superfície e da lavaria na sua área industrial, localizada a oeste da "vila mineira".
07h00 - segunda, 15/10/2018
Aljustrel: Saúde sem registo de alterações
O presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo garante que não se têm verificado "alterações nem aumento da procura" dos serviços de Saúde por parte da população de Aljustrel nas patologias que podem ser ligadas à questão da qualidade do ar.

Data: 12/10/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial