16h21 - quinta, 21/02/2019

Dos 30 anos da Esdime


José Carlos Albino
Perante o desafio do diretor do "CA" de escrever a propósito dos 30 anos da Esdime, que muito me honra e responsabiliza, vou tentar escrever coisas úteis para pistas quanto aos tempos complexos que vivemos para que desenvolvimento e progresso se realizem nos territórios e gentes da nossa região.
E, talvez surpreendentemente, vou aos ensinamentos da(s) história(s), hoje em dia tão abandonados e que muito nos desviam do que deve ser feito nos tempos atuais.
Também porque 30 anos duma organização inovadora como a Esdime já merecem ficar na História e dela tirarmos ensinamentos, mas principalmente porque é obrigatório que saibamos, nós pessoas e organizações, partir da linha e novelo donde vimos, para bem podermos gizar e prosseguir rumos que construam bons futuros.
E como nada nasce do "zero", vamos aos antecedentes, puxando o fio do novelo.
A Federação das Cooperativas de Produção, onde trabalhava como coordenador do Gabinete de Formação & Desenvolvimento, concluíram que tinham que iniciar uma intervenção nos territórios mais débeis. Em 1986, com entrada na CEE, sabendo que o Fundo Social Europeu financiava a Formação de Agentes de Desenvolvimento, logo se decidiu candidatar-se, o que permitiu formar os primeiros 12 agentes espalhados no país. Entrando no CECOP – Comité Europeu das Cooperativas, foi-me atribuída a responsabilidade de participar ativamente no Departamento de Formação e Desenvolvimento, o que muito me permitiu aprender com os projetos dos parceiros, muito mais experimentados que nós.
E é neste "caldo" que me surge a ideia de conceber um Projeto de Formação para o Desenvolvimento de Micro-Regiões Rurais e logo propondo que fosse implementado em Messejana. Aprovada a ideia, mãos à obra e o projeto é candidato ao FSE, na medida de projetos pioneiros e inovadores, tendo-o defendido em Bruxelas, ficámos convictos que seria aprovado para arrancar em meados de 1988. Avançando em1987 o segundo Curso de Agentes, logo foram selecionados dois jovens de Messejana, que aprendendo fossem trabalhando a bem do projeto.
Longo percurso para que o "Projeto de Messejana" arrancasse em Junho de 1988, até inícios de 1990. E dentro das inúmeras inovações formativas para 100 formandos, dirigidas para o autoemprego, sobressaía como essencial que o projeto levasse à criação duma organização que pegasse no testemunho e o desenvolvesse. E, assim, nasce a Esdime a 18 de fevereiro de 1989. Apenas digo que foi processo que envolveu todos os formandos e dezenas de pessoas de Messejana, tendo a Comissão Instaladora da até então SDM – Sociedade de Desenvolvimento de Messejana envolvido quatro dezenas nas reuniões que semanalmente se reunia, tendo aprovado o nome de Esdime – Empresa de Messejana para o Desenvolvimento Integrado, CRL.
Dados lançados, a Direção, envolvendo os outros órgãos sociais, inicia o debate do que e como nos íamos organizar. Sem livros sobre a matéria, muitas ideias foram lançadas, tendo-se concluído que devíamos ser prudentes e assumirmo-nos como organização que apoiasse técnica e assertivamente ideias de iniciativas individuais ou coletivas que gerassem emprego e progresso. Dai o nosso primeiro lema ser: "Damos luz às vossas ideias!".
É neste contexto que damos apoio a imensos projetos de micro empresas, cada vez mais em zonas mais alargadas, acompanhando-os até ao seu arranque, tudo apoiado no Programa ILE. Também nesses primeiros tempos fizemos a ronda a todos os municípios do Baixo Alentejo, propondo que se criassem Gabinetes de Apoio ao Desenvolvimento, podendo nós assessorar a sua organização e arranque; ficaram as sementes que mais tarde germinaram, tendo-se logo constituído o de Aljustrel.
Mas em 1993, tendo-se concluído que a anemia nos territórios era forte, decidimos a dar um salto em frente, assumindo-nos também como "motores do desenvolvimento" e, nessa base, tendo vindo a assumir o nome de Agência para o Desenvolvimento Local no Alentejo Sudoeste.
Se fui longo até aqui, porque as ações fundadoras e as menos conhecidas, agora vou tentar ser telegráfico e apenas referir algumas depois realizadas
Programa VALEMA – Valorização da Mulher Alentejana, o primeiro e que, além de se dirigir ao género feminino, permitiu trabalho comunitário em freguesias. Realização no quinto aniversário do primeiro evento público (1994) de colóquio sobre "Formação para o Desenvolvimento Local em Meio Rural", o qual contou com a participação de mais de 200 agentes e investigadores de todo país.
Candidatura a vasto Programa Quadro de Formação, o primeiro no Alentejo, o qual com pareceres totalmente favoráveis do IEFP regional, foi inexplicavelmente chumbado, quando já tínhamos realizado os necessários investimentos, o que provocou a primeira crise da Esdime. Fruto da nossa denúncia, apoiada por várias organizações regionais, deu origem ao movimento "Baixo Alentejo a Uma Só Voz", que agrupou todas as organizações sócio-profissionais.
Arranque de intervenções nas escolas e junto dos jovens, nunca antes trabalhada pelas ADLs, o qua fez escola.
Candidatura ao Programa LEADER 2, aprovada e reconhecida como inovadora e eficiente, e que levou a realizarmos as suas novas versões até ao atual DLBC, sempre bem avaliados.
Esdime selecionada, entre seis entidades, para criar um experimental CRVCC, único no Alentejo, o qual veio a evoluir para o Programa "Novas Oportunidades", que fomos realizando.
Por aqui me fico pelo realizado até ao presente, pois os órgãos diretivos entretanto em funções melhor o poderão descrever e testemunhar.
Deixo para finalizar duas observações: uma referente à nossa intervenção junto de ADLs e e do seu movimento; outra com observações e pistas para o futuro.
Quanto à Esdime com as outras, fomos estando sempre solidários, porque, nessa altura nunca quisemos ser uma ilha no deserto. Já Esdime constituída "exportámos" o projeto para as Alcáçovas, que levou à criação da "Terras Dentro". E em 1993, fruto da nossa insistência, constitui-se em Aljustrel a Animar, com sede na Esdime, e fomos construindo o sonho de sermos juntos. Mas, nós Alentejanos, de quando em vez gregários e com tanta ADL entretanto criadas, criámos a nossa "Ideia Alentejo", que nos foi reunindo e juntando pares de anos a fio, para sermos unidos perante os poderes.
Agora, arriscar para responsáveis em exercício, deixar umas dicas sobre meus desejos para os presentes-futuros.
Numa palavra na moda, "sair-se das zonas de conforto", em que obedecendo sem pestanejar às ordens do Estado Central, saibam, juntando-se a outras ADLs, propor e reivindicar mais liberdade nas intervenções apoiadas e novas medidas e políticas para um real desenvolvimento dos abandonados territórios das baixas densidades, para que aconteça uma coesão territorial no todo nacional.
Será que bebendo nos tempos iniciais, com todas as ressalvas e adaptações, não poderiam inventar outros caminhos, novos parceiros, mais financiadores, diferentes abordagens para os principais reais problemas das comunidades e territórios, para além do género e violência?
Um novo impulso será mais que desejável, o que exigirá protagonistas com espírito de missão e intervenção inovadora e militante, que abram a todos nós janelas de boas esperanças.
Do meu lado, caso entendam, poderão contar com o que souber e poder, desejando novos anos de vidas vivas!

O autor utiliza o
Novo Acordo Ortográfico



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 26/03/2019
"Poder da Colaboração"
debatido em Odemira
Mobilizar e inspirar a comunidade para a relevância estratégica da colaboração é o grande objectivo da sessão "O poder da Colaboração", que o cine-teatro Camacho Costa, em Odemira, recebe nesta terça-feira, 26, a partir das 14h30.
07h00 - terça, 26/03/2019
Sessões em Castro sobre
limpeza de terrenos
Santa Bárbara de Padrões recebe nesta terça-feira, 26 de Março, a primeira de cinco sessões de esclarecimento sobre limpeza de terrenos promovida pela Câmara de Castro Verde em parceria com a GNR, a Autoridade Nacional de Protecção Civil, o ICNF e as juntas de freguesia do concelho.
07h00 - terça, 26/03/2019
Castro Verde já tem rede de fibra óptica
Desde esta segunda-feira, 25 de Março, que a vila de Castro Verde já tem cobertura de fibra óptica, num processo cuja conclusão da totalidade dos trabalhos está prevista para a próxima semana.
07h00 - terça, 26/03/2019
Jovens identificados
por furto em Ervidel
A GNR identificou no final da passada semana dois jovens, um de 19 e outro de 15 anos, por suspeitas da prática do crime de furto no interior das instalações de uma associação em Ervidel, no concelho de Aljustrel.
07h00 - terça, 26/03/2019
Detido por violência
doméstica em Aljustrel
Um homem de 28 anos foi detido pela GNR em Aljustrel no final da passada semana pela prática do crime de violência doméstica, tendo ficado em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Beja por ordem do juiz.

Data: 22/03/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial