12h44 - quinta, 23/07/2020

Cante Alentejano: Quo vadis?


José Francisco Colaço Guerreiro
Escrevo este apontamento a propósito do concurso da RTP "7 Maravilhas da Cultura Popular", no qual o "Cante Alentejano" (candidatura de Serpa) foi eliminado pelos concorrentes "Abertura das Talhas" (candidatura da Vidigueira, em primeiro lugar) e "Cante ao Baldão com Viola Campaniça" (candidatura de Odemira, em segundo lugar).
Começo por manifestar a minha imparcialidade neste dito concurso, na medida em que apadrinhei a "Viola Campaniça" na categoria de "Artefactos" e, por outro lado, não admitia nem podia imaginar que o Cante não saísse vencedor dentre os citados concorrentes, mais a "Pesca Artesanal no Litoral Alentejano", as "Talhas de Beringel" e as "Botas Alentejanas". Confesso que por razões de ordem cultural e sentimental, no pódio da minha imaginação tinha colocado por ordem decrescente o Cante, o Baldão e a construção da Viola Campaniça, tendo para o efeito, votado aleatória e insistentemente nos três.
Posto isto, e mesmo que o resultado final da prova tivesse sido favorável ao Cante, considero que a sua candidatura nesta roleta sempre teria sido um erro da entidade que a promoveu, pois a mesma disputa, só por si, já rebaixava a essência e a dignidade do vulto maior da Cultura Popular do Alentejo, ao competir lado a lado com referências importantes, mas de valores incomparavelmente menores.
Qualquer uma das outras candidaturas só tinha a ganhar concorrendo, para colher notoriedade e beneficiar com a divulgação televisiva da sua existência. Nada tinham a perder.
Mas o Cante Alentejano já ocupa um merecido lugar no "Olimpo" do Património Imaterial da Humanidade.
Precisa de tudo menos de propaganda de feira. Atravessa presentemente e pela certa a fase mais negra da sua existência, sem que exista um plano de salvaguarda que lhe valha e na ausência de uma política cultural regional concertada e integradora de medidas e estratégias que visem a sua defesa e dignificação.
O Cante Alentejano, no pós-classificação como Património Imaterial da Humanidade já lá vão cinco anos, ao invés de ter reforçado a sua identidade própria e vincado claramente aquilo que é enquanto prática vocal representativa, para reforço do seu valor peculiar, ficou inerte deixando-se usar, sem tirar qualquer proveito do galardão que lhe foi atribuído pela Unesco.
E agora que já se calou o foguetório abundante, lançado dando vivas à sua classificação, a realidade da generalidade dos Grupos Corais, seus verdadeiros suportes e detentores, é visivelmente deprimente e denunciadora de um futuro pouco promissor.
Foi neste contexto que a Casa do Cante de Serpa teve a ideia e cometeu a ousadia de promover a sua candidatura perdedora às "7 Maravilhas da Cultura Popular".
E o Cante, com uma categoria de nível olímpico, sujeitou-se a sofrer uma derrota vergonhosa, mesmo jogando em casa (na Cuba, a catedral do Cante), contra adversários de inegável mérito, mas cujo prestígio global é incomparavelmente inferior.
Sabemos que este desaire não servirá como fator de reflexão, de agitação, de motivação e de mobilização para a prossecução de um trabalho conjunto a nível regional para implementar a necessária salvaguarda do Cante, porque a lógica dominante, tal como a inércia e a indiferença instaladas, nunca o vão propiciar.
Calculamos, por isso, que o Cante continue o seu percurso de definhamento, assistindo-se a cada dia ao tombar dos Grupos Corais sem que ninguém se preocupe, sem que haja vontades para inverter o tendencial declínio da nossa realidade vocal mais autêntica.
Por este caminho, com esta atitude, não vamos longe.

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 12/08/2020
Seca no Parque Natural
do Sudoeste Alentejano
preocupa autarcas
Os presidentes das câmaras municipais de Odemira, Sines, Aljezur e Vila do Bispo manifestaram-se preocupados com a seca que afecta as bacias do Mira e do Barlavento algarvio, exigindo "a elaboração de planos de contingência" para fazer face a uma situação que "tende a agravar-se".
07h00 - quarta, 12/08/2020
Castro Verde: Presidente da Assembleia Municipal renuncia ao cargo
A presidente da Assembleia Municipal de Castro Verde, Ana Paula Baltazar, eleita pela CDU, apresentou a sua renúncia ao cargo e ao mandato de vogal neste órgão na noite desta terça-feira, 11, em sessão extraordinária da Assembleia.
07h00 - quarta, 12/08/2020
CM Ourique faz obras nos balneários
do pavilhão da EB 2,3/ Secundária
A Câmara de Ourique está a proceder a obras no interior e na cobertura dos balneários do pavilhão da Escola Básica (EB) 2,3/ Secundária local, num investimento avaliado em cerca de 23 mil euros.
07h00 - quarta, 12/08/2020
AFBeja dá apoio
a clubes certificados
na época 2019-2020
A Associação de Futebol de Beja (AFBeja) decidiu atribuir um apoio financeiro adicional aos clubes de futebol e futsal filiados que obtiveram certificação pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) na época de 2019-2020.
12h00 - terça, 11/08/2020
Regantes do Roxo querem
água a preço "mais justo"
Os regantes beneficiados pelo perímetro de rega do Roxo, no concelho de Aljustrel, defendem um "ajustamento" do preço cobrado pela água do Alqueva, por forma a garantir a "rentabilidade" das explorações agrícolas.

Data: 07/08/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial