07h00 - segunda, 15/10/2018

Obras para minimizar
poeiras em Aljustrel

Obras para minimizar poeiras em Aljustrel

A Almina–Minas do Alentejo, proprietária das minas de Aljustrel, vai avançar com novas medidas de minimização da dispersão de poeiras, nomeadamente na zona da britagem de superfície e da lavaria na sua área industrial, localizada a oeste da "vila mineira". A informação foi adiantada em carta enviada à Assembleia Municipal de Aljustrel, no seguimento da reunião extraordinária do passado dia 29 de Setembro para discutir a qualidade do ar na vila, e confirmada já esta semana ao "CA" por fonte oficial da administração da empresa.
A mesma fonte lembra que a Almina tem, ao longo dos últimos anos, "implementado medidas de minimização que permitem melhorar quer as condições de trabalho, quer a qualidade do ambiente envolvente", além de cumprir as obrigações legais a que se encontra vinculada.
A empresa sublinha igualmente que a qualidade do ar em Aljustrel "não é só influenciada pelas operações da Almina", acrescentando que, "dentro de um princípio de indústria responsável", tem vindo a fazer "a monitorização da sílica no ar ambiente".
A garantia de obras na lavaria industrial por parte da Almina é encarada com bons olhos pelo presidente da autarquia local, que lembra ao "CA" que há muito que o Município de Aljustrel "luta por soluções [para o problema do pó negro] junto da empresa mineira".
"Estamos em crer que esta vai ser uma boa solução, não no sentido de acabar totalmente com as poeiras mas permitindo uma redução substancial das mesmas, o que certamente vai ao encontro dos anseios e dos desejos da população, nomeadamente da vila de Aljustrel", acrescenta Nelson Brito.
De acordo com o autarca, desde 2015 que a Câmara de Aljustrel tem vindo a envidar esforços junto da Almina e das diversas entidades do Estado com competências na área do Ambiente, no sentido de ser avaliada a situação vivida na "vila mineira" e que muito tem preocupado a população. "Esse foi um trabalho feito com alguns obstáculos, porque o Estado não tem equipamentos e muito menos no tempo em que queríamos", nota Nelson Brito.
O edil vinca que o relatório final da monitorização da qualidade do ar em Aljustrel só foi entregue pela CCDR do Alentejo em Novembro de 2017, sendo que desde então o Município já participou em "mais de uma dezena de reuniões, inclusivamente com a própria empresa Almina", no sentido de se encontrarem soluções para o problema.
Lembrando que o grande problema da lavaria industrial, licenciada pela Câmara Municipal em 1991, acaba por ser o local onde está – "Foi um erro a sua localização e tem responsáveis à altura que estavam aqui na autarquia", diz –, Nelson Brito espera que agora se possa, finalmente, chegar a uma solução através das obras programadas pela Almina.
"Parece-nos muito importante que venha a acontecer a adopção de uma série de medidas que a própria empresa já disse que ia tomar, não só materialmente mas também imaterialmente, com uma comissão, liderada por um independente e com a participação dos actores locais, para haver uma constante monitorização das poeiras e dos impactos ambientais existentes em Aljustrel, nomeadamente os impactos ambientais da actividade mineira", acrescenta.
Nelson Brito exige ainda que as entidades ligadas à Saúde Pública continuem a "fazer uma vigilância de curto-médio prazo" e mantenham "informadas as pessoas e, sobretudo, a autarquia sobre as ocorrências em relação a doenças respiratórias e do foro oncológico". "Têm-nos dito que não há dados alarmantes e isso é um dado importante, que ainda assim não nos descansa e que nos deve manter vigilantes", observa.
A questão da qualidade do ar em Aljustrel tem estado no centro do debate político local e o presidente da Câmara Municipal não deixa de criticar o posicionamento assumido pela oposição. Pela CDU, "até parece que a entidade que emite poeiras é a Câmara de Aljustrel e não uma entidade empresarial. Isso parece-nos, no mínimo, curioso", remata Nelson Brito.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 15/10/2018
Aljustrel: Saúde sem registo de alterações
O presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo garante que não se têm verificado "alterações nem aumento da procura" dos serviços de Saúde por parte da população de Aljustrel nas patologias que podem ser ligadas à questão da qualidade do ar.
07h00 - segunda, 15/10/2018
Assembleia Municipal de Aljustrel aprova medidas sobre qualidade do ar
A qualidade do ar em Aljustrel foi debatida numa sessão extraordinária da Assembleia Municipal local realizada a 29 de Setembro, que juntou quase 300 pessoas no salão dos Bombeiros Voluntários locais.
07h00 - segunda, 15/10/2018
Ourique na candidatura
do montado à Unesco
Os Paços do Concelho de Ourique receberam no final da passada semana uma reunião de trabalho da candidatura do montado a Património da Humanidade da Unesco, promovida pela Turismo do Alentejo e na qual a Câmara de Ourique é parceira activa.
07h00 - segunda, 15/10/2018
ANAFRE Beja
reuniu na Vidigueira
A direcção da delegação distrital de Beja da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) promoveu no final da passada semana, na sede da Junta de Freguesia de Visigueira, uma reunião de coordenação.
09h00 - domingo, 14/10/2018
Aulas e actividades seniores
no concelho de Aljustrel
Já arrancaram as aulas e actividades da Universidade Sénior de Aljustrel (USA) e do programa "Animasénior", dinamizados pela Câmara Municipal de Aljustrel para os munícipes do concelho com mais de 50 anos.

Data: 12/10/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial