07h00 - terça, 18/04/2017

Falta de investimento
preocupa agricultores

Falta de investimento preocupa agricultores

O presidente da ACOS – Agricultores do Sul está preocupado com as diferentes limitações que estão a ser colocadas ao investimento no sector e com os atrasos registados na análise de candidaturas para financiamento de projectos apresentados pelas explorações agrícolas.
"Um dos problemas sérios que temos em termos do investimento são os projectos que se candidataram durante o período 2015/2016, para os quais não há garantia de financiamento", revelou Rui Garrido, adiantado que "os concursos tinham dotações limitadas e, se entram projectos que excedem a dotação, transitam para o concurso seguinte, mas sem garantia de aprovação".
Rui Garrido explica ao "CA" que, "sobretudo quando se trata de instalação de culturas permanentes", como um olival ou amendoal, por exemplo, os agricultores "não conseguem ficar tanto tempo à espera".
"Só nesta altura estão a ser analisados projectos que entraram no último trimestre de 2015, o que é muito tempo para quem tem compromissos", destaca o presidente da ACOS, admitindo, contudo, que "ultimamente" foi possível que "algumas coisas fossem melhoradas". "Mas outras não", avisa.
O dirigente agrícola esclarece que o problema se coloca quando é necessário "pôr no terreno" o respectivo investimento e os apoios não são concretizados.
"Ou seja, quer queira quer não, o agricultor é obrigado a iniciar o investimento e, depois de ter feito a encomenda das plantas, elas vêm e, mesmo que os projectos não estejam aprovados ou nem sequer analisados, têm que ser plantadas", explica.
Sem se deter, Rui Garrido garante que esta situação "já está a gerar problemas, levando os agricultores a terem que fazer empréstimos bancários e a assumirem compromissos". Uma realidade que preocupa o líder da ACOS, que também não esconde o seu desencanto com o facto de, durante o ano de 2016, não terem havido mais concursos no Plano de Desenvolvimento Regional (PDR) 2020.
"Temos a garantia que vai haver novas aberturas de concursos e que vai haver algum apoio, mas, uma vez que o dinheiro é escasso, o nível de apoios ao investimento baixou bastante e as ajudas directas estão limitadas a 700 mil euros, o que é bastante limitativa para quem quer reestruturar uma exploração de sequeiro para regadio com as dimensões que temos na região", esclarece Rui Garrido.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sábado, 19/08/2017
Amanto retirado
da escola da Salvada
A Câmara de Beja tem a decorrer obras de reabilitação na Escola Básica de Salvada, que incluem a remoção da actual estrutura de fibrocimento com amianto e a colocação de uma nova cobertura.
00h00 - sábado, 19/08/2017
Novos centros escolares
em São Teotónio e São Luís
A Câmara de Odemira já tem em marcha os projectos dos novos centros escolares de São Teotónio e de São Luís, obras que estão avaliados num montante total superior a 2,7 milhões de euros.
00h00 - sábado, 19/08/2017
Novos equipamentos para
trabalhadores da CM Serpa
A Câmara de Serpa entregou esta semana novos equipamentos de protecção individual (EPI) aos trabalhadores da sua Divisão de Obras Municipais e Ambiente (DOMA).
00h00 - sexta, 18/08/2017
Risco de incêndio elevado no distrito de Beja
O Governo declarou nesta quinta-feira, 17, o estado de calamidade pública em algumas zonas do território nacional, entre as quais diversos concelhos do distrito de Beja.
00h00 - sexta, 18/08/2017
Serviços de saúde nas praias
de Milfontes e Zambujeira
A Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) tem a funcionar, até final deste mês de Agosto, dois postos de saúde nas praias de Vila Nova de Milfontes e Zambujeira do Mar, ambas no concelho de Odemira.

Data: 04/08/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial