00h00 - terça, 20/06/2017

Campaniça já toca
nas escolas de Odemira

Campaniça já toca nas escolas de Odemira

A Escola Básica de São Martinho das Amoreiras (Odemira) é um dos estabelecimentos dos agrupamentos de escolas de Colos e Sabóia onde, desde o início de Maio, começaram a ser leccionadas aulas de toque de viola campaniça.
Uma ideia que surgiu no âmbito do projecto de valorização da viola campaniça e do cante de improviso, que tem vindo a ser dinamizada pela Câmara Municipal de Odemira em parceria com a Junta de Freguesia de São Martinho das Amoreiras, a Associação para o Desenvolvimento de Amoreiras-Gare e a Casa do Povo de São Martinho das Amoreiras.
"Este concelho foi uma grande zona de cante mas nos últimos tempos tem definhado um pouco, porque os grandes tocadores e cantadores têm vindo envelhecendo – alguns se calhar já desapareceram – e não tem havido uma grande renovação. E este projecto quer tentar colmatar essa falha e tentar trazer os jovens para o cante e para a viola campaniça", sublinha Carlos Loução, de 32 anos, que regressou da Amora (Seixal) para ensinar os mais novos a tocar viola campaniça.
Uma "arte" que aprendeu com o "mestre dos mestres": o falecido Manuel Bento. "Ele ensinou-me o que sei há quase 19 anos e hoje estou a tentar transmitir esses ensinamentos aos miúdos da mesma maneira", confidencia.
Atrás de si, agarrados à campaniça, estão 13 das crianças que frequentam o segundo, terceiro e quarto ano na EB de São Martinho das Amoreiras. Nalguns casos a viola é maior que eles próprios. Enquanto o professor explica o ponto ou a forma de dedilhar há alguns que olham distraídos para os colegas do lado. Outros, mais atentos, captam com toda a atenção o jeito do toque. No final todos sorriem com as primeiras tentativas de tocar a moda "Rio Mira vai cheio".
"O grande objectivo é ensinar-lhes os primeiros acordes e as noções básicas da viola campaniça. E tentar 'arrastá-los' para esta cultura da viola campaniça, das modas alentejanas e do cante", explica Carlos Loução.
Uma missão, garante, que está a ser bem sucedida, apesar da tenra idade dos aprendizes. "Há miúdos com muita vontade, que se gostam de agarrar à viola! Eles têm estado com interesse nas aulas", afiança, corroborado pela professora Hélia Patrício, que se diverte a ver os seus alunos a tocar.
"Preservar esta tradição é muito importante. Estas crianças crescem a ouvir isto e agora que estão a aprender lembram-se logo de manhã que hoje é dia de aula de viola campaniça", revela a docente.
A hora de aula passa num ápice. Haverá mais nas poucas semanas que restam até final do presente ano lectivo. "Vamos ver se a 23 de Junho já conseguimos tocar uma moda completa", diz Carlos Loução em tom de desafio aos pequenos tocadores. Eles abanam a cabeça, como que a dizer que não. Mas com certeza que serão!


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sábado, 26/05/2018
Vítimas de violência
doméstica com novo
apoio em Mértola
A Câmara de Mértola, através do Núcleo de Educação e Desenvolvimento Social, conta desde este mês de Maio com um serviço de atendimento às vítimas de violência doméstica.
07h00 - sexta, 25/05/2018
Carlos Moedas participa em iniciativas em Beja
O bejense Carlos Moedas, actual comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, vai estar nesta sexta-feira, 25, na cidade de Beja, participando em duas iniciativas.
07h00 - sexta, 25/05/2018
Procuradora japonesa
no Lab UbiNet do IPBeja
A procuradora do Ministério Publico de Tóquio, capitão do Japão, visita nesta sexta-feira, 25 de Maio, o laboratório UbiNET do Instituto Politécnico de Beja (IPBeja).
07h00 - sexta, 25/05/2018
Professor de Beja acusado de
536 crimes de abuso de menores
Um professor de 48 anos de Beja foi acusado pelo Ministério Público de Beja de um total de 536 crimes, na sua maioria de abuso sexual de quatro crianças.
07h00 - quinta, 24/05/2018
Alunos de Aljustrel
apresentam propostas
A Assembleia Municipal de Aljustrel vai debater em Junho as duas propostas mais votadas pelos alunos durante a última sessão Assembleia Munucipal Jovem, que teve como tema "Marketing Territorial: Património (histórico, mineiro e religioso)".

Data: 18/05/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial