00h00 - sexta, 13/04/2018

Ainda há pastores
no Campo Branco!

Ainda há pastores no Campo Branco!

Faça chuva ou sol, para eles o trabalho nunca acaba: seja porque é preciso dar de comer às ovelhas ou conduzi-las a um novo ponto de água, seja para mudar os animais de pastagem ou ajudar nas parições, os pastores têm sempre que fazer.
São é poucos os que ainda querem fazer este trabalho solitário, onde não há feriados nem fins-de-semana e que exige longas jornadas em campo aberto, só ouvindo chocalhos, balidos… e o ladrar do cão de guarda.
"Isto é uma vida muito presa", confidencia ao "CA" José António Brito, 46 anos, natural de Entradas (Castro Verde) e um dos pastores que ainda hoje existem no Campo Branco. No rosto carrega as marcas de dias e dias passados ao ar livre, com as cerca de 1.200 ovelhas que tem à sua guarda. "O que custa mais é o mau tempo, o frio, a chuva", afirma.
José António Brito começou a ser pastor aos 19 anos. E fá-lo por "gosto", tal como acontece com Mário Galamba. "Toda a vida o meu pai foi pastor e eu segui os passos dele. E é isto que gosto mesmo de fazer! Não estudei porque não quis, dediquei-me ao gado e tenho andado sempre com o gado", conta ao "CA" este pastor de 51 anos, que guarda um rebanho com quase mil ovelhas na zona de Aljustrel.
O mesmo acontece com João Custódio, 51 anos, da Trindade (Beja). "Saí da escola aos 14 anos e comecei a andar atrás do gado", revela com boa disposição. "Agora tenho umas 1.070 ovelhas e passo o dia no campo", diz, para logo revelar que entretêm as horas vagas com… o telemóvel! "Está um [pastor] em Évora, está outro noutro lado e fala-se com um, fala-se com outro… E é assim que a gente passa o tempo. Estamos anos sem se ver, mas falamos todos os dias. O telemóvel é a nossa entretenga", acrescenta.
"Pois eu passo o dia atrás do gado, cantando uma cantiga atrás delas [ovelhas] e com os meus cães por companha. E vão-se passando os dias… E em elas dando vagar, vamos beber um copinho à taberna mais próxima", conta Mário Galamba. Já José António Brito aproveita as horas de pastoreio para, sempre que pode, moldar figuras em cortiça ou outros materiais. "Pego na faquinha e vou fazendo uns bonecos… Já que não há outra maneira de a gente se entreter, faz-se assim".
João Custódio, Mário Galamba e José António Brito são pastores por opção própria e não se arrependem do caminho que seguiram, apesar da dureza do trabalho.
"Antigamente havia o 'moiral' e havia o ajuda. Agora é uma pessoa sozinha para o gado todo. E antigamente os rebanhos eram mais pequenos, agora são maiores", diz Mário Galamba, numa opinião partilhada pelo cunhado João Custódio. "As cercas ajudam mais os patrões, porque evita a mão-de-obra. Antigamente um rebanho de 1.000 ovelhas, como o que eu trago, se calhar precisava de quatro pessoas. E agora tenho de fazer tudo sozinho", nota.
"É claro que tem de se ter um bocadinho de trabalho! Não é a gente jogá-las para ali, voltá-las e pronto", observa por sua vez José António Brito, dando o exemplo dos últimos meses, em que a falta de chuva obrigou a um esforço suplementar dos pastores. "Com a seca isto complica-se um bocado. Temos de tratar [os animais] à mão e é mais complicado. Foram sete ou oito meses duros. E esta chuvinha foi uma maravilha, é ouro", diz.
Para estes três homens, é tudo isto que faz com que hoje sejam poucos os jovens que querem ser pastores. "Hoje a escola é obrigatória, uma pessoa faz o 12º ano e depois vai guardar ovelhas? Já não vai… Ninguém quer saber disto! Isto vai ficando acabado e daqui por mais 20 anos pode haver pastores, mas são os próprios donos do gado. Pastores empregados de patrões já não deve haver", observa João Custódio.
A mesma opinião têm Mário Galamba e José António Brito. "A malta nova hoje não pende para isto… Vemos uns velhotes, já reformados, com 70 e tal anos, atrás do gado porque não há novos que queiram ir para o lugar deles. E por ser mal pago não é… Mas é uma vida presa. E qual é o jovem que quer saber de estar preso hoje?", questiona o primeiro. "A malta nova não quer saber disso, gosta de estar mais livre", conclui o segundo.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 13/11/2018
Odemira aposta na
valorização do rio Mira
Materializar a política de valorização das margens do rio Mira na área do concelho de Odemira, desde a barragem de Santa Clara até Vila Nova de Milfontes é o objectivo do Plano Estratégico e Operacional de Valorização do Rio Mira, promovido pela Câmara de Odemira.
07h00 - terça, 13/11/2018
Documentário filmado
em Mértola premiado
O documentário "Terra", co-realizado por Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres e filmado no concelho de Mértola, arrecadou o prémio para melhor filme da competição portuguesa durante a última edição do festival DocLisboa.
07h00 - segunda, 12/11/2018
Cine-teatro de Almodôvar
pronto para reabrir portas
Depois de cerca de seis anos de obras de requalificação, com atrasos e muitos problemas pelo meio, o cine-teatro municipal de Almodôvar vai reabrir portas no próximo ano de 2019.
07h00 - segunda, 12/11/2018
PCP alerta para falta
de médicos em Ourique
Um em cada cinco utentes residentes no concelho de Ourique não tem médico de família atribuído, num total de 1081 pessoas, sobretudo oriundas da freguesia de Garvão.
07h00 - segunda, 12/11/2018
Câmara de Odemira elogia
abandono do projecto
de prospecção de petróleo
A Câmara de Odemira aprovou a 31 de Outubro, por unanimidade, manifestar a congratulação pelo facto de o consórcio ENI/ GALP ter abandonado o projecto de prospecção e exploração de petróleo ao largo do Alentejo Litoral.

Data: 09/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial