07h00 - sexta, 10/08/2018

Fábrica da borracha em
Aljustrel exporta para o mundo

Fábrica da borracha em Aljustrel exporta para o mundo

As convulsões políticas e sociais causadas pela "Primavera Árabe", conjugadas com o forte apelo da terra, levaram Francisco Parreira a conseguir o que para muitos era impensável: conseguir que a multinacional francesa Pronal deslocalizasse o investimento que tinha na Tunísia para o concelho de Aljustrel. E foi assim que em 2015 arrancou o projecto da Strucflex/ Pronal, conhecida entre os aljustrelenses como "a fábrica da borracha" e que recebeu no final de Julho a visita do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.
"Sempre disse que ia haver uma revolução" na Tunísia, observa Francisco Parreira. "E quando a empresa decidiu encerrar a fábrica que lá tínhamos e mudá-la de sítio pensei: tem de ser na minha terra. E foi", conta a sorrir este aljustrelense de 60 anos, que é o director de produção de todo o grupo Pronal e gere a fábrica que a empresa tem na Herdade da Mancoca, a pouco mais de meia dúzia de quilómetros de Aljustrel.
Emigrante há 46 anos, Francisco Parreira trabalha há 44 na Pronal, subindo a pulso na cadeia hierárquica da empresa. Nas últimas duas décadas ajudou a montar as fábricas que o grupo abriu na Tunísia (entretanto encerrada) e na Malásia, e formou milhares de colaboradores. A Pronal é a sua vida e é isso que o faz sentir um orgulho tremendo por poder estar a desempenhar estas funções no sítio onde nasceu.
"É uma honra estar na minha terra, com o meu povo. Há 20 anos que queria fazer isto", confidencia Francisco Parreira, satisfeito, sobretudo, por o projecto em Aljustrel estar a ser um sucesso. "A fábrica surgiu de um dia para o outro, mas até hoje tem corrido muito bem", diz, para logo elogiar o esforço da autarquia local para que a multinacional francesa investisse em Aljustrel. "Têm sido espectaculares", diz.
Com décadas de história, o grupo Pronal produz artigos em borracha que depois comercializa em todo o mundo nas áreas da aeronáutica, defesa, ambiente, indústria mecânica e combustíveis. Depósitos para água, hidrocarbonetos ou azoto/ ar (que podem armazenar até um milhão de metros cúbicos de material), almofadas para levantar grandes pesos, colchões para suster paredes em casos de derrocada, suportes industriais para garrafas de vidro ou peças para plataformas petrolíferas são alguns dos artigos que a Pronal comercializa para toda a Europa, EUA, Ásia e África.
Grande parte destes artigos são produzidos na fábrica de Aljustrel, onde a empresa já investiu perto de dois milhões de euros e as cerca de 80 pessoas que lá trabalham actualmente (grande parte mulheres e todos com formação específica) produzem uma média de 200 peças por semana.
"O material segue todo para França, para exportação. Mas também já vendemos alguns produtos directamente para Portugal", conta Francisco Parreira. "Estamos no bom caminho, é preciso é haver encomendas", acrescenta com satisfação Francisco Parreira, deixando desde logo uma garantia: a Pronal está para ficar em Aljustrel, daí ter nos seus planos mais obras no armazém.
"Queremos fazer idêntico ao que estamos a fazer em França: fazer os produtos e enviar logo para os clientes, assim como criar um gabinete de estudos para fazerem as plantas que actualmente fazemos na Tunísia. E ambicionamos trazer para Portugal a produção de 70% dos produtos que a Pronal faz: neste momento temos 40%", conclui Francisco Parreira.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 22/02/2019
"PSD tem que sair
da Praça da República"
O empresário Gonçalo Valente, 38 anos, é o novo presidente da Distrital de Beja do PSD e em entrevista ao "CA" revela as prioridades dos sociais-democratas da região para os próximos dois anos.
07h00 - sexta, 22/02/2019
Resialentejo recolhe
tampas de plástico
A empresa intermunicipal Resialentejo, que opera em oito concelhos do distrito de Beja, estabeleceu um protocolo com a "Coração Delta", do Grupo Nabeiro, para a dinamização do projecto "Dê Uma Tampa".
07h00 - sexta, 22/02/2019
Odemira eleita na Rede
das Cidades Educadoras
A Câmara de Odemira foi reeleita, pela terceira vez, para a comissão coordenadora da Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadores, que é constituída por 74 municípios de Norte a Sul do país.
07h00 - quinta, 21/02/2019
EMAS Beja
melhora gestão de
águas residuais
Colocar a cidade de Beja "como uma referência" ao nível do tratamento de águas residuais urbanas é o grande objectivo da Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja, que vai implementar em 2019 um plano operacional estratégico para alcançar "uma melhoria significativa" na gestão das redes de águas residuais do concelho.
07h00 - quinta, 21/02/2019
PS de Beja elogia
passagem do Museu
Regional para a DRCA
A Concelhia de Beja do PS elogia a transferência do Museu Regional para a tutela da Direcção Regional de Cultura do Alentejo (DRCA), considerando que esta "potenciará Beja e o seu património junto de um público muito mais alargado".

Data: 22/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial