07h00 - terça, 30/07/2019

Águas do Baixo Alentejo
iria baixar tarifas em Beja

Águas do Baixo Alentejo iria baixar tarifas em Beja

A criação da empresa Águas do Baixo Alentejo (AdBA), que juntava a Águas de Portugal e oito municípios numa parceria público-público, permitiria uma redução no tarifário de água e saneamento cobrado no concelho de Beja. A revelação é feita pelo administrador-executivo da EMAS-Empresa Municipal de Água e Saneamento de Beja (que iria representar a Câmara de Beja na nova empresa), que critica duramente o "chumbo" da adesão do Município bejense à AdBA, imposto pela maioria CDU na Assembleia Municipal – à imagem do que também sucedeu em Castro Verde.
Na opinião de Rui Marreiros, a AdBA "não é apenas um projecto de investimento em infra-estruturas essenciais", sendo, sobretudo, "uma aposta na garantia futura e um com-prometimento com as próximas gerações, assegurando ser possível fornecer, nos padrões de qualidade que se impõem, a quantidade de água necessária para cerca de 85 mil habitantes nos oito concelhos abrangidos". "Tudo isto sem esquecer as actividades turísticas, comerciais e industriais, cujo acesso à água é indispensável para a sua fixação nos territórios do interior", acrescenta o gestor.
No caso concreto do concelho de Beja, o administrador-executivo da EMAS revela que "a convergência tarifária definida no sistema" determinava "uma ligeira redução dos atuais 23,4 euros por cada 10 m3 (considerando a totalidade do custo em água e saneamento) para os 22,9 euros". "E em contrapartida, o nível de investimento definido para o concelho de Beja é de 20 milhões de euros", reforça.
Além do mais, continua Marreiros, a adopção de um único tarifário nos municípios abrangidos minimizaria "o valor final a aplicar por via da eficiência gerada, pela maior escala e a existência de uma estrutura especializada na região, situação que seria impossível de suportar num cenário com os municípios a operar individualmente".
Relativamente ao processo de transição dos colaboradores da EMAS para a nova empresa, o gestor garante que todos os postos de trabalho estariam "absolutamente garanti-dos", além de trazer mais-valias para estes funcionários, nomeadamente a "valorização profissional em termos de carreiras no seio de uma estrutura maior" e "aumentos remuneratórios mínimos da ordem dos 20% face aos níveis remuneratórios actuais".
Na opinião do administrador-executivo da EMAS de Beja, a criação da AdBA traria enormes mais-valias para os concelhos abrangidos, a começar por um plano de investimentos de 86 milhões de euros (72 milhões em infra-estruturas e 14 milhões em soluções técnicas, instalações e meios de apoio à exploração e gestão do sistema), grande parte com financiamento comunitário.
A par disto, a nova empresa permitiria igualmente "contrariar o actual cenário de acumulação de défices tarifários na área dos serviços de águas em muitos municípios", assim como "preparar a região para os desafios das alterações climáticas, fenómeno que se faz sentir com especial acutilância na região Alentejo", nota Rui Marreiros.
É por tudo isto que este responsável critica duramente a posição dos eleitos da CDU na Assembleia Municipal de Beja (e também na de Castro Verde). "Trata-se de uma posição que se reveste de alguma estranheza na medida de que os argumentos apresentados são falsas questões, sobre as quais a CDU tem especial responsabilidade em conhecer", diz Marreiros, garantindo que, por exemplo, nunca seria possível a privatização por se tratar de uma parceria "exclusivamente pública".
"Inclusivamente, nesta parceria surge uma nova versão dos contratos que densificam esta matéria reforçando o facto de se a AdBA deixar de integrar o sector empresarial do Estado ocorrerá a caducidade automática dos contratos outorgados entre o Estado e os municípios, passando a gestão a ser realizada por uma empresa detida unicamente por estes", reforça.
Rui Marreiros revela ainda que o anterior conselho de administração da EMAS, numa altura em que a Câmara de Beja era liderada pela CDU, encomendou a um consultor externo a elaboração do estudo "que analisou a possibilidade de agregar [os sistemas de] Beja, Cuba e Serpa". "Estamos a falar da mesma CDU que pretende agora inviabilizar todo o processo, mas que andou de forma verdadeiramente encapotada a preparar um outro processo de agregação, mais frágil, menos inclusivo, e claramente muito menos transparente", conclui.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 18/02/2020
Ourique constrói novas ETAR
em Grandaços e Santana da Serra
A Câmara de Ourique vai investir um total de cerca de 283 mil euros nas novas estações de tratamento de águas residuais (ETAR) nas aldeias de Grandaços (já construída) e de Santana da Serra (em construção).
07h00 - terça, 18/02/2020
EMAS faz obras
em Santa Vitória
A Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja vai iniciar, já no mês de Março, uma intervenção na rede de água da aldeia de Santa Vitória, num investimento avaliado em cerca de 28 mil euros.
07h00 - terça, 18/02/2020
CM Odemira atribui
bolsas de estudo
A Câmara de Odemira vai atribuir, neste ano lectivo de 2019-2020, um total de 61 bolsas de estudo a alunos do concelho que frequentam o ensino superior e três prémios de mérito para alunos do ensino secundário, num investimento de quase 75 mil euros.
07h00 - segunda, 17/02/2020
"PS presta contas"
na cidade de Beja
O Beja Parque Hotel, na cidade de Beja, recebe nesta segunda-feira, 17, pelas 21h00, a iniciativa "PS Presta Contas", que contará com a presença na ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão.
07h00 - segunda, 17/02/2020
Saúde no concelho de Odemira
preocupa deputados do PS
Os dois deputados do PS eleitos por Beja questionaram a ministra da Saúde sobre as carências na área da Saúde verificadas no concelho de Odemira e sobre a escassez de profissionais de saúde e de equipamentos no Hospital do Litoral Alentejano.

Data: 07/02/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial