07h00 - sexta, 11/10/2019

Cercicoa
celebra 40 anos
de crescimento

Cercicoa celebra 40 anos de crescimento

Foi no dia 10 de Outubro de 1979 que o sonho se tornou realidade. Nesse dia, um grupo de pais e amigos de crianças portadoras de deficiência deram as mãos e ajudaram a nascer a Cercicoa-Cooperativa de Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas e Solidariedade Social dos Concelhos de Castro Verde, Ourique e Almodôvar. Quatro décadas depois, o trabalho à vista é mais que evidente e a instituição, que tem sede em Almodôvar, é actualmente um pilar essencial na intervenção social realizada nesta área no território.
"Temos a sensação que não ficámos parados no tempo e que tem havido alguma 'hiperactividade' por parte da nossa equipa, por forma a fazer coisas novas e ir adaptando os serviços às novas exigências", admite ao "CA" o presidente da Cercicoa, destacando ainda outra "marca" da instituição: "a abrangência". "O impacto da instituição no território vale pelo seu todo, ou seja, pelo conjunto de valências e respostas diversas que temos e que vão desde os zero aos 100 anos. Neste momento temos valências que cobrem todas as faixas etárias e temos vindo a trabalhar para responder a todas as pessoas que necessitam da nossa ajuda", frisa com orgulho António Matias.
"Tem sido um desafio que temos conseguido concretizar. Temos tentado dar resposta a esta missão, sempre com novos projectos, para dar resposta a todas as famílias e a todos os clientes que temos", complementa Sandra Espírito Santo, presidente da Assembleia Geral da instituição.
Nos idos de 1979, a Cercicoa tinha como grande objectivo preparar "o melhor possível" as crianças portadoras de deficiência, visando a sua inclusão social. Desde então o trabalho não parou, sendo que em 2019 a cooperativa tem como "missão" promover a qualidade de vida dos seus clientes, através da prestação de serviços técnicos especializados e diversificados nas áreas da capacitação de pessoas da promoção da auto-determinação.
Para alcançar estas metas a Cercicoa conta com as valências de Lar-Residencial, Centro de Actividades Ocupacionais (CAO), Formação Profissional, Residência Autónoma, Intervenção Precoce, Centro de Recursos para a Inclusão (CRI), Centro de Recursos Local, Programa de Apoio a Pessoas mais Carenciadas, programa "Incorpora" e Centro de Apoio à Vida Independente.
"A nossa tentativa é sempre ir criando novas estruturas noutros concelhos" que não apenas Almodôvar, enfatiza António Matias, explicando que, no total, são 493 as pessoas beneficiadas por todas estas respostas, que contam com um total de 63 colaboradores. "Temos uma equipa heterogénea, multidisciplinar e transdisciplinar. Os técnicos das diversas áreas complementam-se e trabalham em conjunto. E isto é um pouco o resultado destes 40 anos", reforça.
Ao longo destes 40 anos a Cercicoa tem conseguido "levar a carta a Garcia" e ir aumentando a sua capacidade de resposta. Ainda assim, o presidente da cooperativa reconhece que tudo se deve a muito trabalho e persistência, até porque os problemas sentidos no dia-a-dia são mais que muitos e de natureza diversa.
"O factor interioridade é uma grande dificuldade. E o factor escala também! Porque enquanto entidades congéneres que trabalham em meios urbanos têm um projecto para 100 pessoas, nós temos para 10… E esta escala para 10 pessoas, em termos de viabilidade económico-financeira, é muito difícil de executar", afirma António Matias.
Para melhor ilustrar esta situação, o presidente da Cercicoa dá o exemplo da equipa do CRI, que só para ir a São Miguel do Pinheiro, no concelho de Mértola, necessita de toda uma manhã ou tarde. Ou seja, argumenta Matias, "isto só é viável se houver uma discriminação positiva para quem vive no interior".
A isto junta-se ainda um quadro financeiro frágil, fruto dos financiamentos do Estado ficarem aquém do necessário e de qualquer prestação de serviço nos territórios do Interior custar bem mais que numa cidade, fruto das grandes distâncias que é preciso percorrer. Por isso mesmo, diz António Matias com bom humor, "vivemos permanentemente 'no arame' e temos desenvolvido algumas capacidades circenses de equilibrismo". "Mesmo assim, e tendo em conta os últimos 20 anos, só em dois ou três anos é que tivemos saldo negativo", frisa.
De acordo com este responsável, a Cercicoa vive "sempre no limite porque tem sempre muitas obras, muito investimento para fazer na renovação do parque automóvel e um grande quadro de pessoal". "Por isso temos que ser muito imaginativos e muitas vezes temos que nos socorrer do apoio dos municípios. Os municípios são nossos parceiros fundamentais para que as coisas funcionem bem, sobretudo na área financeira e na disponibilização de recursos e infra-estruturas", reforça.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 25/05/2020
Aljustrel retoma
mercados mensais
A Câmara de Aljustrel decidiu retomar a realização de mercados mensais no Parque de Feiras e Exposições da "vila mineira", ainda que mediante o cumprimento de novas regras devido à pandemia de Covid-19.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Câmara de Almodôvar aprova
apoios às empresas do concelho
A Câmara de Almodôvar aprovou na passada semana, em reunião do executivo, um lote de candidaturas, no valor aproximado de 29591 euros, no âmbito do Programa de Apoio ao Tecido Empresarial (PATECA).
07h00 - segunda, 25/05/2020
Odemira recebeu
vigília pelas artes
A vila de Odemira foi um dos "palcos", na passada quinta-feira, 21, da vigília pelas artes e cultura em Portugal, numa iniciativa da qual acabou por nascer a Plataforma Cultura e Artes Odemira, que junta diversos artistas residentes no concelho.
07h00 - sexta, 22/05/2020
Secretário de Estado
acompanha testes à Covid
em Ferreira do Alentejo
O secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional, na sua qualidade de coordenador da execução do estado de calamidade do Alentejo devido à pandemia Covid-19, vai realizar nesta sexta-feira, 22, uma visita de trabalho a Ferreira do Alentejo.
07h00 - sexta, 22/05/2020
Requalificação do lar
de Messejana deverá
avançar até ao Verão
As obras da primeira fase de remodelação e ampliação das instalações do lar da Misericórdia de Nossa Senhora da Assunção, na vila de Messejana (concelho de Aljustrel), deverão avançar entre os meses de Julho e Agosto, num investimento total superior a um milhão de euros.

Data: 15/05/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial