07h00 - quarta, 16/09/2020

A nova vida (e regras) das escolas no ano lectivo de 2020-2021

A nova vida (e regras) das escolas no ano lectivo de 2020-2021

Alguns dos alunos do curso profissional de Higiene e Segurança no Trabalho e Ambiente na Secundária de Castro Verde trocaram os últimos dias de férias de Verão por trabalho na escola. Coordenados pela professora Marisa Góis Caetano, estes jovens têm-se desdobrado na tarefa de colocar em todos os espaços escolares do Agrupamento de Castro Verde a nova sinalética relacionada com a Covid-19, desde indicações de circulação a informação sobre os cuidados a ter. Tudo a pensar no novo ano lectivo, que arranca presencialmente nesta quinta-feira, 17, e é aguardado com ansiedade por alunos, pais, docentes e pessoal auxiliar.
"É evidente que [este ano lectivo] há preocupações acrescidas", admite ao "CA" o director do Agrupamento, Augusto Candeias, que vai acompanhando os trabalhos "no terreno". "Estão a fazer essa planificação e a proceder à marcação de todos esses passos [que são necessários]: linhas de entrada e de movimentação dentro do espaço escolar, saída das salas por um percurso diferente da entrada, e acessos ao bar, refeitório e serviços administrativos, de forma que não existam grandes cruzamentos de pessoas", explica.
Os trabalhos decorrem das orientações que vão chegando a todas as escolas do país por parte da Direcção Geral de Educação e da Direcção Geral da Saúde, tendo em conta a situação de pandemia que afecta o país e o mundo. Novas regras numa nova realidade a que o Agrupamento de Castro Verde (AECV) se vai adaptando.
"Fomos orientados para a preparação das actividadeslectivas em três cenários: o cenário presencial, o cenário à distância e um cenário misto. Vamos ver o que vai acontecer ao longo dos tempos, mas espero que tudo continue assim", afirma Augusto Candeias.

Muitas mudanças!
Que vai então mudar na forma de funcionamento do AECV em 2020-2021 devido à pandemia? Desde logo, revela o director, haverá mais duas turmas (uma no primeiro ciclo e outra no 8º ano) que no ano anterior, "o que permite reduzir o número de alunos por turma".
A par disto, a Câmara Municipal (que no início de Setembro assumiu as competências de administração e gestão do sistema educativo até ao 12º ano no concelho, no âmbito do processo de descentralização de competências do Estado pelas autarquias locais) disponibilizou seis novos espaços de aulas (dois no Fórum Municipal, dois no InCastro e mais dois na Biblioteca Municipal), o que, juntamente com dois espaços vagos no Centro Escolar 1, permitiu a criação de oito novos espaços de aulas e tirar oito turmas do recinto escolar: quatro da EB 2,3 e quatro da Escola Secundária.
Mas os cuidados com a Covid-19 não se ficam por aqui! O AECV vai distribuir por alunos, professores e funcionários um conjunto de três máscaras laváveis (até 25 lavagens), além de ter dispensadores de álcool-gel à entrada do recinto, das salas de aulas e dos espaços administrativos. Serão igualmente colocados tapetes de desinfecção para o calçado na entrada dos blocos de aulas e os alunos terão lugares fixos nas salas. E quando houver mudança de professor, serão desinfectadas a secretária e cadeira do docente, assim como o quadro da sala. "Vamos ter uma rotina de limpeza dos espaços, apesar destes serem utilizados sempre pela mesma turma", garante Augusto Candeias.
Já nas cantinas haverá horários desfasados na altura das refeições (havendo a possibilidade de take-away para os alunos da Secundária), enquanto nos bares ou nos serviços de reprografia haverá circuitos de sentido único.
Augusto Candeias reconhece que para colocar todas estas recomendações em prática a experiência tida durante o 3º período do último ano lectivo, em que houve aulas para o 11º e 12º ano, tem sido importante. "As coisas correram muito bem e espero que com os mais jovens isso também possa acontecer, ou seja, que haja uma certa disciplina dentro da sala de aula. E professores e assistentes operacionais também estão conscientes que têm que mudar as suas atitudes e as suas regras de convivência", observa.
Ainda assim, o director do Agrupamento de Castro Verde aguarda com expectativa o arranque das aulas, até para perceber se toda a gente vai "cumprir" com as novas regras. "Fora do espaço escolar, professores, alunos e funcionários terão o seu relacionamento normal. Mas aqui temos de adoptar estas regras rigorosas", conclui em tom de alerta.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sábado, 19/09/2020
Aljustrel tem maior taxa de
natalidade do Baixo Alentejo
O concelho de Aljustrel voltou a registar em 2019 a maior taxa de natalidade de todo o Baixo Alentejo, assim como a segunda maior taxa de fecundidade geral de todo o país, apenas atrás de Lisboa.
07h00 - sábado, 19/09/2020
Câmara de Ourique
contrata equipa para
lar de Santa Luzia
A Câmara de Ourique contratou uma equipa de 12 ajudantes de lar a uma empresa de prestação de serviços para assegurar a manutenção do apoio, dos serviços e dos cuidados essenciais para a saúde e bem-estar dos idosos do lar de Santa Luzia, propriedade da Misericórdia de Ourique.
12h59 - sexta, 18/09/2020
Tornado causa muitos
estragos em várias zonas
da cidade de Beja
Um tornado, acompanhado de precipitação intensa, derrubou mais de uma centena de árvores e causou fortes estragos, sobretudo em viaturas, na cidade de Beja durante a manhã desta sexta-feira, 18 de Setembro.
10h52 - sexta, 18/09/2020
Despiste fere com
gravidade comandante dos
Bombeiros de Odemira
O comandante dos Bombeiros Voluntários de Odemira ficou ferido com gravidade nesta sexta-feira, 18, na sequência do despiste de uma viatura da coprporação perto de Boavista dos Pinheiros, tendo sido transportado no helicóptero do INEM para o Hospital do Barlavento, em Portimão.
10h00 - sexta, 18/09/2020
Conselho Directivo da ANAFRE
reúne na vila de Beringel
O Conselho Diretivo da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) realiza nesta sexta-feira, 18, uma reunião descentralizada no Centro Cultural de Beringel, no concelho de Beja.

Data: 11/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial