08h39 - sexta, 03/04/2009

Vestígios arqueológicos regressam a Ourique

Vestígios arqueológicos regressam a Ourique

Foram encontradas na década de Oitenta, em Garvão, e hoje ainda não é possível ter a noção da quantidade de peças que estão nos cerca de 700 caixotes de achados arqueológicos da segunda idade do Ferro. Mas, 20 anos depois, esses "pedaços" de história estão de regresso ao concelho de Ourique.
As peças do depósito votivo de Garvão têm na sua maioria entre 2.400 e 4.000 anos. A grande quantidade de materiais encontrados durante os trabalhos arqueológicos realizados pelo Serviço Regional de Arqueologia da Zona Sul (SRAZS), nos anos 80, sob a direcção de Caetano de Mello Beirão, levantou na altura a questão do seu armazenamento, tratamento e estudo. Foi então que a Universidade de Évora cedeu instalações para a arrumação dos materiais que, nos anos 90, acabaram por ser transferidos para Conímbriga, a título de depósito provisório. Mas foi aí que ficaram durante 17 anos!
Agora, os artefactos, que estão distribuídos por cerca de 700 caixotes e em condições desfavoráveis, regressam ao concelho depois de muita pressão por parte da Câmara Municipal de Ourique. Pedro do Carmo, presidente do Município, revela que foi "muito difícil conseguir trazer de volta este espólio imenso", mas diz estar "orgulhoso, porque este é um passo que representa um virar de página e uma mudança radical no respeito pelo património e identidade local".
De acordo com a autarquia, estão reunidas as condições necessárias para armazenar, estudar, inventariar e catalogar estas peças, para que possam ser expostas mais tarde. O autarca acrescenta que, para esse efeito, "já está constituída" uma equipa que integra representantes do Centro de Estudos Arqueológicos das universidades de Coimbra e Porto, do Centro de Química e do Centro de Geofísica da Universidade de Évora, do Instituto Politécnico de Tomar e uma conservadora/restauradora com larga experiência em materiais arqueológicos.
Neste momento, está a ser também elaborada, em conjunto com estas entidades, uma candidatura no âmbito do projecto "Redescobrir Garvão", para que seja criada uma estrutura de reserva de materiais arqueológicos da zona, com uma equipa especializada.
De referir ainda que muitas peças encontradas nos trabalhos arqueológicos realizados em Garvão estão agora expostas no Museu Nacional de Arqueologia. Pedro do Carmo frisa que para além de outros sectores onde a autarquia tem centrado atenções, "há também uma aposta no património arqueológico do concelho que poderá constituir ainda um ponto de atracção a milhares de turistas".
Durante os próximos meses, vários técnicos vão proceder aos trabalhos de estudo, análise e catalogação das peças que, posteriormente, serão expostas no concelho. Em fase de análise está também a possibilidade de ser criado, em Garvão, um local para a exposição deste importante património.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
22h13 - sexta, 10/07/2020
Covid-19: Testes negativos a
trabalhadores da Somincor
Os trabalhadores da Somincor, empresa mineira de Neves-Corvo, testados nesta quinta-feira, 9, ao coronavírus Covid-19 tiveram resultado negativo, adianta a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Criminalidade diminuiu no distrito de Beja em 2019
O distrito de Beja é o quinto mais seguro em todo o país, tendo registado um decréscimo na criminalidade geral em 2019.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Programa de apoio à
cultura esgotado em Beja
A cidade de Beja vai receber, nos próximos meses, três exposições, cinco sessões de contos, quatro sessões de teatro e marionetas e 11 espectáculos musicais, fruto das candidaturas apresentadas ao Programa Municipal de Apoio à Cultura (PEAC).
07h00 - sexta, 10/07/2020
Diocese de Beja assinala
250 anos da sua restauração
A 10 de Julho de 1770 foi restaurada, pelo Papa Clemente XIV, a Diocese de Beja, data assinalada 250 anos depois neste fim-de-semana, 10 a 12, com diversas iniciativas de cariz religioso.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Um caso de Covid-19
identificado em Neves-Corvo
Um trabalhador da Somincor residente no concelho de Almodôvar foi identificado como estando infectado com Covid-19, adiantaram nesta quinta-feira, 9, a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.

Data: 10/07/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial