06h53 - quinta, 24/12/2009

Julgado de Paz resolve 30 casos em Castro Verde

Julgado de Paz resolve 30 casos em Castro Verde

Criado há pouco mais de um ano, o Julgado de Paz de Castro Verde já resolveu 30 processos judiciais e, para a juíza Sandra Marques, há razões para fazer um balanço "bastante positivo" do trabalho feito até agora. "De todos os processos que aqui passaram só tive de fazer duas sentenças", realça a magistrada, sublinhando que a taxa de acordos "é elevada".
Este tipo de tribunal existe para resolver conflitos através de mediação, conciliação ou de uma sentença, "assegurando a proximidade entre a justiça e os cidadãos", explica a juíza, esclarecendo também que a mediação está a cargo dos designados mediadores de conflitos, enquanto a conciliação e a sentença são presididas pelo juiz de Paz.
O surgimento do Tribunal de Paz em Castro Verde foi fruto de um protocolo entre o Ministério da Justiça e a Câmara Municipal. Enquanto a autarquia assume as despesas das instalações e com o funcionamento do estabelecimento, o Ministério da Justiça é responsável pelos salários da juíza e dos mediadores de conflitos.
Face aos vários relatórios que chegaram à secretária da magistrada Sandra Marques, o Julgado de Paz de Castro Verde apresenta um balanço "bastante positivo". Contudo, a juíza confessa estar "um pouco insatisfeita por haver poucos processos". E explica que esta situação se deve ao facto de as pessoas não saberem o que é um Julgado de Paz. Como solução, Sandra Marques propõe acções de informação e divulgação que permitam fazer aumentar o número de processos.
Matérias como direitos e deveres condóminos, arrendamento urbano, incumprimento de contratos, partilhas entre familiares, obras, animais, escoamentos, acidentes de viação, ofensas corporais simples, injúrias, difamações, entre outras questões, podem ser resolvidas de forma simples e célere no Julgado de Paz. Em todos os casos, os mediadores de conflitos ouvem as partes e tentam servir os seus interesses. Sublinhe-se, contudo, que a fase de mediação "não é obrigatória", podendo, desde logo, haver lugar para o julgamento, onde a sentença é decidida pelo juiz de Paz.
Os encontros entre os mediadores e os intervenientes funcionam como reuniões e, explica a magistrada, "tudo o que as pessoas dizem na mediação é confidencial". Cada processo "dura, em média, um a dois meses" e tem um custo único de 70 euros.

"OUVIR PARA DESBLOQUEAR"

O Julgado de Paz de Castro Verde foi o primeiro a surgir no distrito de Beja, integrando o agrupamento de julgados de paz do Alentejo e Algarve. Incluído nesse agrupamento estão os concelhos de Aljustrel, Almodôvar, Mértola e Ourique, que no futuro terão as suas próprias instalações. A juíza Sandra Marques reconhece o sucesso do julgado de Paz e realça que, "por vezes, basta ouvir para desbloquear o problema".
Refira-se que tribunal de paz teve origem na Constituição Portuguesa de 1976, mas com o passar do tempo acabou por se desvanecer. Em 2002, os Julgados de Paz voltaram à agenda política e, desta vez, o Ministério da Justiça apostou numa estrutura mais sólida que segue os estilos italiano e brasileiro.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sábado, 26/05/2018
Vítimas de violência
doméstica com novo
apoio em Mértola
A Câmara de Mértola, através do Núcleo de Educação e Desenvolvimento Social, conta desde este mês de Maio com um serviço de atendimento às vítimas de violência doméstica.
07h00 - sexta, 25/05/2018
Carlos Moedas participa em iniciativas em Beja
O bejense Carlos Moedas, actual comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, vai estar nesta sexta-feira, 25, na cidade de Beja, participando em duas iniciativas.
07h00 - sexta, 25/05/2018
Procuradora japonesa
no Lab UbiNet do IPBeja
A procuradora do Ministério Publico de Tóquio, capitão do Japão, visita nesta sexta-feira, 25 de Maio, o laboratório UbiNET do Instituto Politécnico de Beja (IPBeja).
07h00 - sexta, 25/05/2018
Professor de Beja acusado de
536 crimes de abuso de menores
Um professor de 48 anos de Beja foi acusado pelo Ministério Público de Beja de um total de 536 crimes, na sua maioria de abuso sexual de quatro crianças.
07h00 - quinta, 24/05/2018
Alunos de Aljustrel
apresentam propostas
A Assembleia Municipal de Aljustrel vai debater em Junho as duas propostas mais votadas pelos alunos durante a última sessão Assembleia Munucipal Jovem, que teve como tema "Marketing Territorial: Património (histórico, mineiro e religioso)".

Data: 18/05/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial