12h41 - quinta, 19/04/2018

Ser feliz


Vítor Encarnação
Havia quarenta anos que aquele caderno estava guardado dentro de uma caixa de cartão. Era um caderno usado, sobras de um ano de escola. Sabia claramente o que nele havia escrito, pois era uma frase curta, desejo de duas palavras, título dado ao futuro. "Ser feliz".
Estas palavras foram lá postas com o mesmo cuidado que se tem quando se dá comida a um pássaro perdido: a mão tem de ser terna e pequena. A negro, as oito letras estão lá cunhadas num papel amarelecido pela razão do tempo. A estas palavras há quem lhe chame verbo e complemento, mas para ele eram promessas e destino.
É preciso dizer que as letras estavam agarradas bem ao cimo da folha. Para deixar campo para o resto. Para o sopro da felicidade. Todo o espaço branco era uma redacção ainda só com o tema. Uma vida toda por fazer. E agora quarenta anos depois daquela jura ter sido feita, era ali naquele bocado de espelho opaco, naquele documento pessoal e intransmissível que se tinha de prestar contas, de dar resposta, de fechar parágrafo e fazer a avaliação final.
Quando as escreveu não fazia ideia de quanto tempo era quarenta anos. Quantas vidas quisemos ter. Quantas encruzilhadas. Quantas mentiras. E regressos. E abandonos. E medos. E resignações. E fantasias.
Quarenta anos é muito tempo. (Quanto tempo é tanto tempo?).
Mal sabia ele do fundo e do firmamento dos seus dez anos que aquelas oito letras eram um desafio soberbo. Um trabalho descomunal que ia muito para além dos limites de um homem. Sozinho. Era agora a hora de arrumar contas, de ver os débitos e os créditos, de calcular-se por dentro, de arranjar adjectivos, de firmar-se na vida e dizer como foi. Quando o relógio anunciou que tinham passados quarenta anos, abriu o caderno. Agarrou numa caneta de tinta preta e viu que a mão já não era pequena, talvez já nem terna.
Acendeu um cigarro, expeliu o fumo e os nervos e abriu o passado. Afastou as cortinas do tempo. Atou-as para ver melhor. Uma ao princípio da memória. Outra ao silêncio daquela noite. Que é como quem diz aos limites da folha. Enquadrou-se.
Não podia usar corrector, nem rasurar, nem usar o dicionário. A infância só lhe tinha deixado aquela folha. Era ali que tinha que pôr a vida. Nem mais nem menos. Sem inventar. Sem fugir de nada. Sem nenhum embuste. Apenas e só, sujeito, verbo e complemento.
O título lá estava. Completo e faminto. Um corpo à espera de outro que o preencha. Uma água cheia que tem de correr para qualquer lado. Uma barragem que já não aguenta e anseia por um rio que a leve.
Afinal quantas vezes fora feliz? Quantas vezes se alindou o mundo?
Escreveu sem um erro, sem uma hesitação.
Mas quando pousou a caneta, a folha mostrava sinais de luta.



Outros artigos de Vítor Encarnação

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 20/02/2019
Orquestra Clássica
nasce em Almodôvar
A manhã do passado sábado, 2 de Fevereiro, marcou o arranque do novo (e ambicioso) projecto da Almovimento-Associação Desportiva, Recreativa e Cultural de Almodôvar: a Orquestra Clássica.
07h00 - quarta, 20/02/2019
Desportivo de Beja
paga dívida às Finanças
O Clube Desportivo de Beja já regularizou a sua situação tributária junto da Autoridade Tributária e Aduaneira, revelou ao "CA" fonte da comissão administrativa do emblema da Rua do Sembrano.
07h00 - quarta, 20/02/2019
Ingleses podem investir na fábrica solar de Moura
Uma empresa inglesa da área de produção de componentes na área da energia está interessada na MFS-Moura Fábrica Solar, que fechou recentemente, depois de contactos com o deputado do PS, Pedro do Carmo, e o presidente da Câmara de Moura, Álvaro Azedo.
07h00 - quarta, 20/02/2019
Prisão preventiva para autores
de furto detidos em Ferreira
O Tribunal de Ferreira do Alentejo aplicou nesta segunda-feira, 18, a medida de coacção de prisão preventiva para os dois homens, de 19 e 29 anos, detidos no fim-de-semana pela GNR em Ferreira do Alentejo pelo crime de furto.
07h00 - terça, 19/02/2019
Mina de Aljustrel reduz emissão de poeiras
A Almina, concessionária das minas de Aljustrel, conta ter concluídas até final deste ano de 2019 todas as intervenções programadas, no sentido de eliminar a emissão de poeiras para a malha urbana da vila.

Data: 08/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial