12h04 - quinta, 08/11/2018

281


Napoleão Mira
Não! Não é nenhum indicativo telefónico, nem nenhuma terminação de lotaria, nem mesmo uma secreta combinação numérica que permita abrir um cofre. É tão só, um número que não me sai da cabeça e que me deixa a remoer sobre os contornos humanos e sociais que conduziram a tão fatídico resultado.
Grudo de novo o ouvido na telefonia, não fora eu ter ouvido mal o resultado do somatório que a locutora comunicava com voz grave e pausada; como se nos anunciasse a morte de um familiar.
Daí a pouco, a voz feminina que dirigia o programa volta a mencionar o número duzentos e oitenta e uma. Sim! No feminino.
Sim! São duzentas e oitenta e uma, as aldeias portuguesas que nas últimas décadas perderam a totalidade dos seus habitantes.
Sim! Zero habitantes. Apenas silêncio. O ensurdecedor silêncio dos que partiram mais o de quem nada fez para parar esta assustadora debandada.
Ao que parece, algumas delas estão a ser recuperadas para a prática do turismo. Do mal o menos. Pode ser que a moda pegue e, de repente, esses lugarejos perdidos voltem a ter corações a bater pelo empedrado das suas ruas.
Ao ouvir este programa, dei comigo a pensar na minha terra, Entradas.
No ano em que nasci, 1956, éramos cerca de duas mil almas. Sessenta anos passados, pouco mais de quinhentos seremos. E deste quinhão, 70% terão mais de 65 anos. As crianças nascem a conta-gotas, numa proporção que equaciono de um nascimento para vinte óbitos.
Nunca pensei poder assistir a tão decrépito espetáculo. Mas, fazendo uma rápida conta, somando esperanças de vida com desesperanças de futuro, chego à conclusão que em vinte anos estaremos reduzidos à condição de monte.
Tudo isto numa terra que já foi sede de concelho e tem todas as condições para oferecer a quem aqui quiser viver uma qualidade de vida que reputo da melhor que há.
O que estaremos nós a fazer de errado?



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sábado, 20/04/2019
Vítor Encarnação
tem novo livro
O escritor Vítor Encarnação, que colabora com "CA" desde o lançamento do jornal, apresenta na próxima semana o terceiro volume de Nada mais havendo a acrescentar, com as suas crónicas publicadas no "Diário do Alentejo" entre Março de 2017 e Março de 2019.
18h09 - sexta, 19/04/2019
Mineiro Aljustrelense
é o novo campeão distrital
O Mineiro Aljustrelense é o novo campeão distrital, depois de nesta sexta-feira, 19 de Abril, ter derrotado o Renascente em São Teotónio por cinco bolas a zero.
07h00 - sexta, 19/04/2019
Mineiro Aljustrelense
a 90 minutos do título
O Mineiro Aljustrelense pode festejar nesta sexta-feira, 19 de Abril, o título de campeão distrital da 1ª divisão de 2018-2019 (e consequente subida), tendo para tal de derrotar o Renascente em São Teotónio.
10h13 - quinta, 18/04/2019
Novo equipamento de TAC no hospital de Beja
O novo equipamento de TAC (Tomografia Axial Computorizada) do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, entrou em funcionamento nesta quinta-feira, 18 de Abril, representando um investimento de cerca de 1,2 milhões de euros.
07h00 - quinta, 18/04/2019
Cidade de Beja celebra
Dia dos Monumentos
A Câmara de Beja assinala nesta quinta-feira, 18 de Abril, o Dia dos Monumentos e Sítios com duas iniciativas no Moinho Grande, situado a poucos quilómetros da entrada da cidade por Ferreira do Alentejo.

Data: 19/04/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial